Uma morte a cada 64 segundos

A atualização mais recente do vírus da coroa do Departamento de Saúde veio com um atraso de três horas – e sem uma conferência de imprensa de funcionários do governo. Outras 1.349 mortes confirmadas foram relatadas em 24 horas – uma taxa de uma por minuto. Oficialmente, os dados são divulgados todos os dias às 19h, mas a publicação foi atrasada de forma consistente nos últimos dez dias.

Mortes

O novo registro diário de óbitos foi impulsionado principalmente pelo Rio de Janeiro, com 324 novas vítimas. Paraíba (+35), Alagoas (+24), Minas Gerais (+17), Brasília (+14) e Mato Grosso (+6) também registraram picos.

A região sudeste, que abriga 42% da população brasileira, lidera o país com mais de 15.000 mortes. Se os quatro estados da região (São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo) fossem um país separado, teria o sétimo maior número de mortes no mundo – mais que o México, a Bélgica ou a Alemanha.

Reabertura

São Paulo foi o estado com mais casos novos nas últimas 24 horas – 5.188. Independentemente disso, o estado iniciou um processo para reabrir sua economia em 1º de junho. Segundo o governador João Doria, a ocupação dos leitos de terapia intensiva do estado caiu de 73,5 para 72,4 por cento, enquanto o número de leitos disponíveis aumentou de 11,8 para 13,3 por 100.000 pessoas, enquanto as internações diminuíram 3 pontos percentuais.

Uma morte a cada 64 segundosUma morte a cada 64 segundos

Certamente, esses números estão relacionados aos efeitos do isolamento social. Em breve, descobriremos os efeitos de um processo de reabertura, que os especialistas classificam como “apressados”.

Apoie este relatório →Apoie este relatório →