Tech Roundup: gigantes brasileiros em busca de startups

Você lê O relatório brasileiro semanal tech round-up, um resumo das principais notícias de tecnologia e inovação do Brasil. Os tópicos desta semana: Atacadistas brasileiros em modo de busca de inicialização; velhos problemas impedem o Brasil de se tornar líder em inovação; e como o acesso deficiente à Internet aumenta a desigualdade na América Latina.

Em meio ao boom do comércio eletrônico, grandes varejistas procuram startups

Dois gigantes do comércio eletrônico foram às compras esta semana

no mercado local de startups, já que a batalha pela supremacia em um setor emergente fica mais difícil a cada dia. Na terça-feira, mercado livre anunciou isso adquirido adquiriu uma participação minoritária no grupo de inicialização de logística da última milha Kangu após um ano de uso de seus serviços. Dois dias depois, a revista Luiza fez sua entrada no mercado de entrega de alimentos, comprando a startup AiQFome.

  • As grandes empresas foram responsáveis ​​por 58,1 por cento das 44 fusões ou aquisições de start-ups relatadas no primeiro semestre de 2020, de acordo com um relatório do Distrito.me. O número é quase 52% maior do que em 2019.
  • Mesmo assim, os investimentos caíram pela metade, para US $ 691,7 milhões – um sinal de que as empresas podem estar aumentando suas carteiras a um custo menor durante a crise.

A última milha encontra o clique e receba. O investimento do Mercado Livre em Kangu faz parte de sua estratégia para reduzir a dependência dos correios estaduais Correios, empresa em crise greve nacional.

  • Mas Kangu também é um jogo de azar para melhorar a experiência do cliente. A startup conecta clientes com pequenas lojas físicas próximas de suas residências e oferece ao Mercado Livre a oportunidade de implementar modos de entrega clique e recolha. Até o momento, essa estratégia tem sido um diferencial competitivo de varejistas tradicionais como Via Varejo e Magazine Luiza.

Super apps. A revista Luiza fala abertamente sobre sua ambição de se tornar o “Brasil” Amazon Inc.. “A startup AiQFome será o primeiro serviço de entrega de mercearia em seu super app one-stop-shop, que reúne nomes já populares do e-commerce como Netshoes (artigos esportivos e calçados), Zattini (roupas) e Época Cosméticos (cosméticos) . O objetivo é aumentar o número de clientes & # 8217; uso recorrente do aplicativo. & nbsp;

  • AiQFome tem 2 milhões de clientes e 17.000 restaurantes em 350 cidades e gera vendas de R $ 700 milhões. Ao contrário de serviços como UberEats ou iFood, a plataforma conecta clientes apenas a restaurantes que cuidam da entrega por conta própria.

Brasil sobe no ranking global de inovação, mas ainda está abaixo do patamar de 2011

o Índice de Inovação Global (GII) publicado pela WIPO Isso faz do Brasil a 62ª economia mais inovadora do mundo e ganhou quatro posições em relação a 2019. Apesar da melhora, o país ainda está bem abaixo do seu Ponto alto 2011quando o país estava em 47º lugar – um sinal de sua capacidade avassaladora de inovar e produzir.

Onde fica o Brasil? A maior economia da América Latina ocupa a 16ª posição entre 37 economias de renda média. É também o quarto país latino-americano mais inovador, depois do Chile, México e Costa Rica. De acordo com a OMPI, o desempenho do Brasil está em linha com as expectativas quanto ao nível de desenvolvimento em relação ao PIB em relação às 131 economias analisadas.

Velhos hábitos. De acordo com a OMPI, o Brasil produz menos produção de inovação em comparação com seus investimentos em inovação. Os principais problemas dificilmente são novos tópicos:

  • É difícil começar um negócio.
  • Há uma escassez de graduados em ciências e engenharia, baixo desempenho no ensino fundamental (conforme demonstrado pelo teste PISA).
  • Infraestrutura geral abaixo do ideal e baixos indicadores de formação bruta de capital;
  • Dificuldade em obter crédito e altas taxas bancárias;
  • Crescimento lento das parcerias público-privadas;
  • Mau desempenho de longas-metragens nacionais e impressos e outras mídias.

Quem financia a inovação? O tema do relatório GII deste ano é desafiador para o Brasil, conforme destacou o presidente da Associação Nacional da Indústria, Robson Braga de Andrade.

  • “A crise financeira está prejudicando os avanços de diversos governos nas últimas décadas. O investimento público em pesquisa e desenvolvimento está menor do que há 20 anos e muitas das políticas públicas para financiar a inovação estão em declínio ou em risco de suspensão ”, escreveu.
  • Proposta de orçamento do Brasil para 2021O projeto, apresentado nesta semana, tem apenas R $ 96 bilhões em gastos não obrigatórios, incluindo bolsas de pesquisa. O valor está abaixo dos R $ 100 bilhões necessários para evitar a paralisação ou congelamento visto em 2019. & Nbsp; & nbsp;

A falta de acesso à Internet na América Latina aumenta a desigualdade durante a pandemia

o alto nível de informalidade no mercado de trabalho latino-americano e o acesso precário à Internet impede que mais pessoas trabalhem em casa durante a pandemia, aumentando a desigualdade na região, disse um relatório pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL). Apenas 21,3% dos trabalhadores latino-americanos conseguiram fazer seu trabalho remotamente. No Brasil, esse percentual sobe para cerca de 25%.

  • Ainda assim, as soluções de trabalho remoto aumentaram 324% no segundo trimestre, enquanto o aprendizado online cresceu 60% no primeiro trimestre.
  • Em 2019, apenas dois terços dos latino-americanos tinham acesso à Internet; Em famílias com rendas mais altas, essa proporção sobe para 81%, enquanto cai para 38% nos grupos populacionais mais pobres.

Aprenda “offline”. Em junho, 44 ​​por cento dos países latino-americanos tinham uma velocidade média de internet de menos de 25 Mbps, evitando que os usuários realizassem várias tarefas ao mesmo tempo. Com isso, segundo os pesquisadores, as pessoas tiveram que escolher entre trabalhar online e estudar.

  • Para piorar a situação, 46% das crianças latino-americanas entre 5 e 12 anos – um total de 32 milhões de jovens – moram em casas sem conexão à Internet.
  • Entre os alunos de renda mais alta, 70 a 80 por cento possuem laptops, enquanto apenas 10 a 20 por cento dos alunos de renda mais baixa possuem tais dispositivos. & Nbsp; & nbsp;

Tendências. Apesar da luta, a digitalização das economias latino-americanas durante a pandemia é notável. De março a abril de 2020, a Colômbia e o México aumentaram o número de sites corporativos em 800%, enquanto o Chile e o Brasil registraram um aumento de 360%.

  • Para apoiar esta tendência, a CEPAL propõe a criação de uma “cesta básica digital” que ofereça às residências sem esses dispositivos um laptop, smartphone e tablet. De acordo com o estudo, a maioria dos países latino-americanos, com exceção da Bolívia e El Salvador, gastaria menos de 1% de seu PIB para custear esse programa.

Nota

  • Métodos de Pagamento. UMA relatório von Kantar mostrou que o uso de cartão de crédito na Colômbia cresceu 13% no segundo trimestre e alcançou uma participação de mercado de 27% no mercado de métodos de pagamento, o melhor desempenho da América Latina. No México, no entanto, o uso do cartão de crédito caiu 10% para uma participação de mercado de 36%.
  • Angariação de fundos. A Fintech Neon Pagamentos levantou BRL 1,6 bilhão em um investimento da série C liderado pela General Atlantic. A empresa também atraiu novos investidores como Black Rock, Vulcan Capital, PayPal Ventures e Endeavor Catalyst. Depois que o número de usuários aumentou 26% desde março, a empresa agora quer usar o dinheiro para aumentar sua oferta de empréstimos e expandir produtos para pessoas físicas e empresas unipessoais.
  • Telecomunicações. O presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto Regulamento da “lei da antena” esta semana. Como esperávamos Resumo de tecnologia na semana passadaA medida tem sido aguardada com ansiedade pelo setor privado, pois permite que as empresas avancem com a instalação de antenas se os governos locais não derem luz verde dentro de 60 dias. Para antenas com menos de 3 metros de altura, as licenças não são mais necessárias. Isso significa que até 90 por cento dos dispositivos necessários para sinais 5G não estão expostos a nenhum obstáculo burocrático.
  • E-governo. O senado brasileiro aprovado uma medida provisória que facilita o acesso aos serviços públicos por meio de assinaturas digitais. Além da infraestrutura de chave pública (PKI) emitida por empresas credenciadas – chamadas de assinaturas qualificadas – o governo agora aceitará assinaturas digitais simples e avançadas. O primeiro se aplica a situações que não contêm informações confidenciais, enquanto o último exige apenas que os usuários verifiquem sua identidade. O governo federal presume que os brasileiros podem acessar 48% dos serviços com uma simples assinatura.

Leia a história completa AGORA!

Comece seu teste de 7 dias

cadastro

Inscrever-se para