Suécia, um país nórdico cheio de encantos

Um dos destinos mais procurados por turista de todo o mundo, são os países Europeus, por suas características culturais e históricas, além de serem desenvolvidos e com uma ótima estrutura para receber os seus visitantes. Os países com maior índice de turistas na Europa costumam ser os mais tradicionais, como Itália, Espanha, Portugal, entre outros, mas vamos saber um pouco mais de um país não menos importante deste continente, a Suécia.

A Suécia, oficialmente Reino da Suécia, é um país nórdico, localizado na Península Escandinava na Europa Setentrional. Com 450.295 km², a Suécia é o terceiro maior país da União Europeia no quesito de área e possui uma população total de cerca de 9,2 milhões de habitantes.

Suécia, um país nórdico cheio de encantosSuécia, um país nórdico cheio de encantos

A Suécia tem uma baixa massa volumar populacional, com cerca de 21 habitantes por quilômetro quadrado, mas com uma população consideravelmente maior na metade sul do país. Cerca de 85% da população vive em áreas urbana. A capital e maior cidade da Suécia é Estocolmo, com uma população de 1,3 milhões na área urbana e de dois milhões na área metropolitana. É considerado um país com a economia altamente desenvolvida.

A capital da Suécia, Estocolmo é recheada de pontos turísticos culturais, bem como paisagens maravilhosas, agregando arquitetura histórica.

Palácio Real construído no começo do século XVIII substituiu o antigo palácio destruído por um incêndio no final do século XVII. Atualmente não é mais de residência à família real. Serve como ponto turístico e é aberto à visitação, exceto quando utilizado em banquetes oferecidos a chefes de estado estrangeiros ou em cerimônias oficiais. A visita aos Aposentos Reais é a maior atração do palácio.

E ainda obtém no seu interior o Museu Gustavo II, dedicado ao rei assassinado, e o Museu Tre Kronor, sobre a história do Palácio Real. Kungstradgarden adorado pelos habitantes de Estocolmo, com uma enorme visitação no verão e com um rinque de patinação frequentado no inverno, é o jardim é o mais antigo da cidade.

Skansen, inaugurado em 1891, é o pioneiro dos museus ao ar livre. Seu tema é a vida rural e urbana da Suécia dos séculos XVIII e XIX. É possível visitar residências, lojas, ateliês e outras construções que foram desmontadas em seus lugares de origem e refeitas na área do Skansen. A maioria das construções tem decoração interna de época. Ótima opção para quem gosta de animais, pois existe um zoológico de pequeno porte de animais selvagens da Escandinávia, como ursos e lobos.

No meio do Mar Báltico localiza-se a maior ilha da Suécia, Gotland considerada uma das principais pontos turísticos da Suécia, é o mais procurado balneário do país. A ilha já foi um importante centro Viking e, no século XI. A principal cidade da ilha de Gotland é Visby, considerada “cidade das rosas e das ruínas”, que conserva ainda suas muralhas, ruelas de traçado medieval e uma deslumbrante arquitetura. Além de antigas mansões dos bem sucedidos comerciantes da Liga Hanseática.

A cidade possui também um dos mais interessantes museus históricos da Suécia, o Gotlands Fornsal, com objetos da Idade do Bronze até os tempos atuais.

O castelo renascentista de Kalmar, símbolo da cidade que leva o mesmo nome do castelo. Durante muito tempo essa fortaleza garantiu a fronteira entre a Suécia e a Dinamarca, como “chave do reino”. Posteriormente, foi destilaria de cachaça, celeiro e prisão, com arquitetura magnífica, imperdível.

Curiosidades

A Suécia é uma monarquia constitucional com um sistema parlamentar de governo, Rei Carlos XVI Gustavo da Suécia, Primeiro-Ministro Fredrik Reinfeldt. Ocupa o primeiro lugar do mundo no Índice de Democracia da revista The Economist e sétimo lugar no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU.

Países como Finlândia, Dinamarca e Noruega já fizeram parte da Suécia.

A última guerra em que a Suécia se envolveu foi em 1814 contra a Noruega.

No Norte do país, região do Círculo Polar Ártico, o sol nunca se põe durante o verão e as noites não têm fim no inverno. É possível ver o “sol da meia-noite” em certas regiões do norte da Suécia.

Cerca de 85% da população sueca vive no Sul do país, onde o clima é mais ameno.

A cidade mais populosa é Estocolmo, a capital. A “Rainha das Águas”, construída sobre 14 ilhas é considerada uma das mais belas capitais europeias.

De origem germânica, a língua sueca é muito parecida como o dinamarquês e o norueguês.

A maior parte dos suecos fala uma segunda língua – inglês, principalmente.

A rainha Silvia é filha de brasileira, morou no Brasil e fala fluentemente o português.

Sobrenomes terminados em “son” e seu equivalente “sen” são muito comuns na Suécia. “Son” significa “filho”. Mikael Jacobson, por exemplo, seria “Mikael, filho de Jacob”.

A culinária sueca é parecida com a norueguesa e dinamarquesa. Os pratos mais conhecidos são as almôndegas suecas, o salmão e a carne de rena (muito consumida no Norte).

O sueco, Alfred Nobel foi um industrial que inventou a dinamite, e deixou a fortuna para criar o prêmio que leva seu nome.

A literatura da Suécia é também vibrante e ativa, sendo a Suécia o terceiro país com maior número de vencedores de Prêmio Nobel na literatura. O teatro sueco tem um dos maiores nomes da dramaturgia, de todos os tempos, August Strindberg.

O jornal mais antigo que se edita no mundo é o sueco Post och Inrikes Tidningar. Circula sem interrupção desde 1645, quando foi criado pela Academia Real de Letras da Suécia.

Suécia é o país menos religioso do mundo.

A compra e venda de álcool é altamente limitada. As bebidas com mais de 3,5 de álcool são taxadas com um imposto muito alto e a sua venda é monopólio do governo.

A Suécia foi o primeiro país da Europa a imprimir dinheiro em notas. Moeda: Coroa sueca (SEK)

Existe uma colônia de descendentes de imigrantes suecos no Sul do Brasil.

Empresas Suecas: Scania, Volvo, Sony Ericsson, Sandvik, Electrolux, H&M.

Os suecos são apaixonados pela natureza. O seu país tem algumas das poucas regiões selvagens ainda existentes na Europa. Os Suecos preocupam-se com as causas ambientais, e têm leis rígidas para defendê-las. Há muito cuidado com as florestas. Na indústria madeireira cada árvore cortada é compensada por mais 4 mudas. Em 100 anos o país terá dobrado o número de hectares da floresta.

Não se usa calçados dentro de casa. Anda-se de meias.

Expectativa média de vida: Mulheres 82 anos, homens 78 anos.

20% dos homens suecos ficam em casa, de licença, quando nascem os seus filhos.

Muitos suecos usam snus, (um tipo de tabaco oral úmido), colocado sob o lábio superior, em contato direto com a gengiva, em vez de fumar.

Os suecos celebram solstício de verão acendendo fogueira e dançando.

VIKING: O termo viking (do nórdico antigo víkingr) ou viquingues é habitualmente usado para se referir aos exploradores, guerreiros, comerciantes e piratas nórdicos (escandinavos) que invadiram, exploraram e colonizaram em grandes áreas da Europa e das ilhas do Atlântico Norte a partir do final do século VIII até meados do século XI. Este período de expansão viking – conhecidos como a Era Viking – constitui uma parte importante da história medieval da Escandinávia, Grã-Bretanha, Irlanda e do resto da Europa em geral. A terra natal dos vikings era a Noruega, Suécia e Dinamarca.

Os vikings eram guerreiros que viajavam pelos mares a partir de sua terra, na península escandinava, pilhando e saqueando cidades, mas também estabelecendo colônias e comercializando.

A religião dos vikings costumava ter culto a ancestrais, além da veneração a deuses e transmitia idéias diferentes quanto a questões da vida e do mundo. Eles acreditavam que o mundo era dividido em “andares” e todos estavam unidos a uma enorme árvore, chamada, Yggdrasil. Estes “andares” eram diferentes e possuíam características especiais, sendo estes, nove. Havendo um mundo para os deuses, Asgard, e um mundo onde as pessoas vivem, midgard, além dos outros sete que são, Nilfheim, mundo abaixo de midgard, no subsolo, onde Hel governa os mortos. Outro mundo é Jotunheim, reino frio e montanhoso, onde os gigantes de rocha e neve (chamado de Jotuns) habitam e era governado por Thrym, gigante que roubou o Mjolnir de Thor para trocá-lo por Freya. Os outros mundos são, Vaneheim (casa dos Vanir), Muspellheim (casa dos gigantes de fogo, local cheio de cinzas e lava, cujo rei é o gigante Surt), Alfheim (onde os elfos moram), Svartaheim (onde os svartafars habitam, são conhecidos como elfos negros) e Nidavellir (é a terra dos anões).

A cultura dos vikings tinha caráter guerreiro, devido também a influências religiosas. Eles eram politeístas, tendo deuses com diversas características, personalidades, histórias e influências no dia-a-dia. Estes deuses eram divididos em dois grupos, os Aesir e os Vanir, além de terem outras criaturas como os gigantes. A imagem histórica dos vikings mudou um pouco ao longo dos tempos, e hoje já admite-se que eles tiveram uma enorme contribuição na tecnologia marítima e na construção de cidades.

Os ABBA foi uma das primeiras bandas de música pop da Suécia que foi conhecida internacionalmente, e ainda está entre as bandas mais proeminentes do mundo, com cerca de 370 milhões de discos vendidos, se tornando a segunda maior banda do mundo e o grupo que fez mais sucesso nos anos 1970. Com o ABBA, a Suécia entrou em uma nova era, em que a música pop sueca ganhou destaque internacional.

Versão sueca da música do Michel Teló

Para quem deseja fazer uma viagem para a Suécia, não perca tempo e conheça este país com lindas ilhas e florestas, com clima poético e tranquilo, uma viagem que irá transbordar cultura e charme.

Fonte: Wikipédia, Mundo das tribos.

Esta foi mais uma edição do Bora lá? International, dedicada a todos vocês e especialmente ao Locutor/Comunicação que sugeriu a pauta.

“O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada.

Caminhando e semeando, no fim terás o que colher”. (Cora Coralina)

Gracias pela participação! S. R.🌹