Se Liga | João Luiz opina sobre propaganda polêmica de “O Boticário”, defende “Aborto” e fala sobre o SBT ter fama de “canal mofado”.

O nosso entrevistado dessa Quarta, é um cara super “arretado” e gente boa, mas também, não tem medo de falar o que pensa, o que faz dele um comentarista polêmico. Pernambucano, SBTista e por pouco não se tornou um engenheiro agronômico, esse é João Luiz! Acompanhe agora essa entrevista sensacional.

Teteu: O João Luiz que todos nós conhecemos é um comentarista que tem opinião formada em relação a tudo. Mas, tenho certeza que muitos não conhecem o J.L. por trás do PC. Conta pra gente um pouco sobre você na vida real, sua rotina e a relação com as outras pessoas.

João Luiz: Eu na vida real, vamos dizer assim, sou tranquilo e até na minha, acho. Não sou muito de me meter nos assuntos dos outros e atualmente não estudo. Larguei o curso de engenharia agronômica em 2015, pois não me identificava, fora as matérias química, física e matemática que DEFINITIVAMENTE não são a minha praia.

Se Liga | João Luiz opina sobre propaganda polêmica de “O Boticário”, defende “Aborto” e fala sobre o SBT ter fama de “canal mofado”.Se Liga | João Luiz opina sobre propaganda polêmica de “O Boticário”, defende “Aborto” e fala sobre o SBT ter fama de “canal mofado”.

Teteu: O que te trouxe ao disqus?

João Luiz: O que me trouxe ao Disqus nem eu me lembro ao certo, mas já via o site TV Foco antes e sempre via os posts e lia alguns comentários. Ao perceber que uma galera se concentrava no post de consolidados, resolvi criar conta pra debater, mesmo vendo que tinha muito doido lá, criei e tô até hoje…

Teteu: O que você pensa sobre as pessoas que não aceitam a opinião alheia e partem para ofensas pessoais? Já passou por isso alguma vez? Qual foi sua reação?

João Luiz: Gente baixa e que só quer atingir mesmo. Na maioria das vezes, não passam de moleques “revoltados”. No Foco até tem gente assim, mas de um jeito mais suave, logo depois já tá falando com você de novo, fora que muitas vezes é só zoação mesmo, mas na vida real, não costumo reagir, se bem que muitas vezes já abri exceção e rebati com argumentos que prestem, ou só ignoro mesmo. Sou meio Candinho, nunca perco a fé no ser humano, e prefiro pensar que a pessoa faz isso por ser meio pequena mesmo, ou é só uma fase ruim.

Teteu: Você considera o SBT um canal “mofado”, como muitos dizem, pelo fato de existir excessos de reprises na programação e também por usar as mesmas fórmulas há vários anos?

João Luiz: Mofado não acho, apesar de algumas estratégias estranhas, tipo inventar novo horário de novelas logo depois do Bom Dia e Cia (??!!) e reprisar novela recente, mas que por milagre dá certo (Risos). Agora o SBT tá com uma reprise local e outra nacional, além de Carrossel, que deve ser substituída por uma mexicana inédita (chorem, haters! Não deve ser Xoquititas!) Desenho eu não considero mofo, apeser de se repetirem, mas qualquer canal repete. Reprise de jornal de madrugada sim, não concordo com elas, deveriam sumir já. E o descanso do Chaves foi merecido, mas creio que deve continuar aos sábados e domingos, mas quando retornar, que dure menos de uma hora!

Teteu: Para você, a Rede Record é superior ao SBT, visto que é uma emissora que investe bem mais e tem um faturamento maior?

João Luiz: Nesses aspectos, sim, é maior. Pena que no ibope que é bom, não é maior hoje em dia (Risos). Acho que ela peca por ser uma emissora meio apática e sem identidade própria, como disse o Boni. Não tenho pra quê ser hater dela, mas os programas policiais não me agradam, nem os de “emoção” e assistencialismo, nem novelas, exceto ODM que foi a única que vi e apesar de quase desistir no meio, vi toda e gostei, apesar dos pesares. Ela me lembra sempre uma sub-Globo só que mais popularesca e classe C/D, sem preconceito. Nesse sentido acho que o SBT corre por fora na concorrência, pois em boa parte do dia o público-alvo dos programas é diferente do da Globo, e por isso ela se dá bem, mas tá longe de ser uma emissora perfeita, tem muita coisa a melhorar.

Teteu: O que você acha da parceria SBT/Televisa?

João Luiz: Gosto. Só acho que o SBT exagera na quantidade. Pra mim, duas mexicanas já seria o suficiente e um remake com menos inchação de linguiça, diferente de Chiquititas, por exemplo. Na verdade, não vejo novela infantil há anos, mas sempre dou uma espiada e até gosto, mas não é muito meu gênero. As novelas mexicanas são muito ricas e diferente das produzidas aqui no Brasil, por exemplo. Acho que seria bom o SBT fechar uma parceria ou pelo menos comprar uma ou outra novela da concorrente da Televisa, a TV Azteca, que faz novelas diferentes e menos exageradas, além de não ser remake de remake.

Teteu: No ano de 2014, Patrícia Abravanel ganhou o Troféu Imprensa de melhor apresentadora do ano, mesmo sendo tão nova na profissão. O que você achou dessa votação? Ela merecia ganhar, ou foi pura puxação de saco do júri? Você acha que o ‘Troféu Imprensa’ tem credibilidade?

João Luiz: Se fosse de apresentadora revelação até que daria, mas… né? Mataram a Angélica, a Eliana a Cátia ou até a Xuxa? Muito estranho mesmo ter ganho, mas até entendo, aquele foi o ano de explosão dela e acho que os jurados estavam meio de saco cheio das demais, que andam se repetindo muito, mas não concordo com o prêmio. Fora que aquela bancada de juri é meia-boca e só de conhecidos do SS praticamente, então credibilidade não domina por lá, fora a Sônia Abutrão…. E prêmio por internet nunca dou bola, pois sempre ganha quem tem mais fã, tipo o Luan Santana que já ganhou umas seis vezes o do Domingão ou o povo de Malhação nesse ano.

Teteu: Qual a sua opinião sobre a programação religiosa que ocupa grande parte do horário das emissoras do Brasil?

João Luiz: Acho péssima… Que comprem uma emissora logo e parem de ficar se infiltrando em emissoras maiores. Segundo o Daniel Castro, a IURD repassa 500 milhões/ano pra a Record e daí dá pra entender como ele surgiu praticamente do pó nos anos 90 e hoje está entre as grandes. Outras emissoras infelizmente são reféns da grana fácil que as igrejas passam, mas só isso é o “bom” da coisa, pois a audiência sempre desaba e prejudica a programação. Esperta é a Record, que joga ela lá pra a madrugada e finge que a TV ainda tá nos anos 80 e só funciona até a 00:00, pra se dizer vice. Tem emissora que tem 22hs de igreja por dia, o que é um absurdo, pra mim é uma ex-emissora se infiltrando em emissoras maiores. (*Segundo o Daniel).

Teteu: Um fato que gerou bastante polêmica no ano passado, foi a Propaganda de ‘O Boticário’ com gays, onde casais homo afetivos trocam presentes de Dia dos Namorados. A propaganda gerou ameaças de boicote à marca e em queixa ao Conar, consumidores consideraram o comercial desrespeitoso. Qual a sua opinião sobre essa propaganda?

João Luiz: A propaganda do Boticário só vi na internet e não vi nada de mais. Esse povo que reclama parece que não vive na vida real e acha que não viu/verá coisa igual. Acho que a propaganda só retratou casais que existem, e podem ser vistos por aí. Eu mesmo já vi pessoalmente e não adorei, mas é a realidade de hoje, só aceitar (Risos).

Teteu: Para você, o que o Brasil precisa para poder crescer e sair da crise? Fale também do governo PT.

João Luiz: Ixe… Precisa se livrar do PT o mais rápido possível. Eu se fosse Dilma, pediria pra sair pelo bem da nação. Precisa de leis mais exemplares que “arregacem” com os corruptos e faça eles devolverem muito mais do que roubaram, precisa de mais fiscalização em quase todos os sentidos, reduzir impostos, equilibrar a dívida externa, que não para de crescer… Muita coisa. Sobre o PT, espero que perca cada vez mais credibilidade, pois é isso que merece e o que tá plantando. Tenho fé de que nas próximas eleições ele ficará mais enfraquecido, como vem acontecendo de um tempo pra cá.

Teteu: João, chegou a hora de você revelar o que acha de alguns programas de TV.

João Luiz: Repetido e nada novo, mas até que dá pra ver de vez em quando

João Luiz: Melhor opção do Domingo à noite, mas confesso que vejo o Encrenca tambem (Risos). Mas tem que parar com essa baboseira de quadro “Você só tem uma Chance”; me sinto substimado com aquelas perguntas bestas pra boi dormir.

João Luiz: Não vejo porque não gosto do Faro. Ele tem vício de atuar e isso me irrita. Via na época do Melhor do Brasil com o Márcio Garcia e adorava.

João Luiz: Melhor reality culinário e com uma produção/edição surpreendente por ser da Band. Achei que iria voltar logo em janeiro/fevereiro, mas é só em abril; menos mal, pra não desgastar tanto.

João Luiz: Bem clichêzinha e com atores de atuação sempre igual, como a Savalla, mas boa novela. Tudo nas mãos do Walcyr(ete) fica bom.

João Luiz: Poderia ser melhor se fosse menos parcial e tivesse gente com opiniões diferentes da apresentadora, mas pelo visto ela não gosta disso. Menos (e melhores) merchans cairia bem tambem.

João Luiz: Boa apresentadora, com boa presença, mas precisa se reinventar e agitar o programa/mudar cenário.

João Luiz: Não vi. Como disse, recuso qualquer coisa inferior ao Master Chef, e um reality numa cozinha apertada que me dá claustrofobia se encaixa nisso (Risos). Nem o Hell’s Kitchen eu vejo, mas vi o Bake Off Brasil, que tinha proposta diferente e gostei.

João Luiz: Desnecessário, mas confesso que vejo de vez em nunca. Acho menos pior que um concorrente.

João Luiz: Não vejo, mas pelo pouco que vi, tem umas tramas adultas bem zzzz e criança não gosta disso. Tomara que acabe em poucos meses e venha a outra, que parece ser mais divertida e dê mais ibope.

Teteu: Várias pessoas fizeram perguntas pra você.

Teteu: Meu Deus! Esse lixo de novo…

João Luiz: Como se responde uma pergunta dessa, Çantos? Pare de ser “Rebelde”, homi! Na verdade gosto do programa e queria ver o que queriam me perguntar.

Teteu: Não ligue pra ele, mano! Esse cidadão não passa de um recalcado desqualificado que vive me perseguindo e chamando meu programa de flop. Inveja define esse “inser” (Risos/zoação).

João Luiz: O bixinho, ele é da cota das perguntas engraçadinhas…

João Luiz: Demorei muito (mesmo) pra acreditar que pudesse existir amizade sem contato, ainda mais num site com tanta gente e assuntos variados, mas hoje eu considero algumas pessoas, quase todo mundo, de formas diferentes, claro, mas no geral gosto do povo e acredito que possa haver amizade sincera sim, depende da empatia e da vontade de ambos disso acontecer. Quatro coisas que me chamaram atenção no Foco foram logo de cara: Um moderador que me botava pra correr, um site bem organizado, apesar dos pesares, o povo que na maioria das vezes adora uma treta com prazo de validade de 10 minutos, e quase todo mundo ter uma emissora favorita e defendê-la com os dentes, que eu estranhei de cara, mas depois me acostumei. Recopiando a Mara Maravilha, eu pensava: “Meu Deus, isso não é meu mundo” (Risos).

João Luiz: Milho, o que me incomoda no Foco, nem digo que seja a suposta recordisse do site, mas o flop e algumas horas que tão dominadas por briguinhas que eu até acho divertidas, mas “não estou disposto”. E me tornei sbtista meio que pra tomar partido de alguma emissora quando me cobravam quando eu entrei no site, pois a Recó: Creeedo. A Globo não gosto muito e acho uma emissora meio fria, um pouco distante demais. A Band vejo pouco, mas não curto muito futebol e menos ainda os programas sobre que ela faz. Sobrou o sbt, que gosto sim (Risos).

João Luiz: Lord, convivo bem com o geral, mas tem uns que não puxo papo, pois já sei qual é a linha da pessoa, são raros, mas não deixo de falar se for necessário. Nem precisei fazer “macumba” ou “oferenda”, sei lá (Risos), pra que meus desafetos (eram só 3) sumissem do site. Olha que maravilha? (Risos).

João Luiz: Na vida real eu não mexo com quem tá quieto e não costumo falar besteira, então não costumo tomar “desaforo”. Até no site quando leio alguma barbaridade, relevo, pra não cansar minha beleza (Risos) , porque é cada doideira que se lê, que eu prefiro pensar que a pessoa tá zoando. O que mais me irrita é extremismo, que separa, segrega e é tapado por natureza.

João Luiz: Não acho boa coisa, mas entendo que é questão de saúde pública e é mais fácil legalizar a prática pra que ela seja feita com mais segurança e morra só uma pessoa, do que convencer a mãe a não abortar. (In)felizmente, acho esse o melhor caminho. Já é proibido no Brasil e milhares são feitos todos os anos com a conivência do Governo, então… Podem dizer que é crime e tal, ou que isso não é “natural”, mas ridículo é achar/querer obrigar alguém a gestar um ser indesejado por quase 1 ano. Acho muito surrealista isso.

João Luiz: Acho que tem jeito sim, a começar pela troca de Governo, pois esse que tá já traçou muito bem seus objetivos e não são nada bons a médio/curto/longo prazo. Pelo menos novas vagas de ensino superior não param de ser criadas, e isso é bom. A Patria educadora deu ‘fail’ dessa vez, mas algum dia engrena…

Teteu: João, obrigado mais uma vez pela participação, a entrevista ficou massa!

João Luiz: Valeu, Teteu! E eu gostei de ter posto pergunta de gente além dos colaboradores do Recreio. Mas agora tem os outros comentaristas também. E teve na do Mattito, se não me engano. Bom, é isso! Espero não ter chatiado ninguém, principalmente os reco(vistas)rdistas, mas essa é minha sincera opinião sobre ela (Risos). Douglas, não “mimimize” sobre o meu aborto, o corpo é meu e eu aborto quantas vezes eu quiser. Não, pera…

Teteu: Valeu!!!

Relacionado