Resumo Técnico: A coexistência de empresas de construção e ConstruTechs

Você lê O relatório brasileiro Resumo semanal de tecnologia, um resumo das principais notícias de tecnologia e inovação no Brasil. Os tópicos desta semana: empresas de construção de longo prazo que desejam acompanhar a tecnologia ConstruTech, bancos digitais que fazem negócios com empresas de telecomunicações e hackers brasileiros estão se tornando globais.

Colmatar a lacuna entre as empresas de construção tradicionais e a ConstruTechs

Novos estudos da consultoria Deloitte mostram que a tecnologia da ConstruTech brasileira é a mesma

– Startups que operam no Indústria de construção – e as construtoras de longa data poderiam ser a solução para trazer inovações a um setor que dificilmente foi perturbado ao longo do tempo. No entanto, conseguir isso não é uma tarefa fácil.

Resultados. 270 construtores de empresas brasileiras foram consultados na investigação e identificaram os seguintes problemas sob vários obstáculos à inovação:

  • 36% não têm orçamento para inovação.
  • 59% nem sequer têm uma equipe de inovação.
  • 41% não têm estratégia de inovação.
  • 39% das startups acreditam que os programas de inovação de grandes empresas não dão tanto valor às startups.

Jogos. Curiosamente, as tecnologias que grandes empresas de construção desejam implementar, como inteligência artificial, já estão sendo oferecidas por startups.

Preste atenção à lacuna. Enquanto as grandes empresas citam a falta de recursos financeiros como o principal obstáculo à inovação, as startups dizem que os executivos não têm interesse em fazer parceria com novos players. Daniel Kozuchowicz, líder em inovação da Homebuilder SKR, disse O relatório brasileiro que os construtores preferem manter armas de animais “desenvolvem os bancos do país”.

  • Para ajudar a criar uma cultura de inovação na SKR, a empresa contratou especialistas em TI e fundou o empreendimento que construiu o Skwiz Lab, um departamento separado de inovação. & Nbsp; & nbsp;

Frentes diferentes. Na sua opinião, o uso de desenvolvimentos de alta tecnologia – como impressão 3D para construção – ainda está crescendo no Brasil devido às preferências culturais dos consumidores por paredes de tijolo e argamassa e ao fato de ainda haver muito espaço e uma força de trabalho abundante.& nbsp;

  • Dada a crescente similaridade de produtos em São Paulo, principal mercado do país, apostar na integração de tecnologia em edifícios para atordoar os clientes após a entrega torna-se uma importante vantagem competitiva.
  • Kozuchowicz mencionou que a SKR desenvolveu o Compass, um aplicativo que os proprietários de imóveis podem usar para se comunicar dentro do edifício e executar tarefas como reservar áreas comuns. Ele também menciona que a empresa está se concentrando em novos recursos, como estacionamento para carros elétricos, para manter essa vantagem competitiva. & nbsp; & nbsp;

Os bancos digitais tentam atrair clientes e se sentirem confortáveis ​​com as operadoras de telecomunicações

Em um movimento que parece estar se espalhando pelo setor financeiro brasileiro, os bancos digitais estão anunciando parcerias com operadoras de telecomunicações que oferecem benefícios como acesso gratuito a seus aplicativos e pacotes de dados patrocinados, além de adicionar um toque digital a uma estratégia de longo prazo no setor financeiro. & nbsp;

  • O C6 Bank e a TIM, divisão brasileira da Telecom Italia, anunciaram novos benefícios para a parceria lançada em março. Os clientes da TIM que abrem contas no banco recebem um bônus de dados de 4 GB em alguns planos, além de um bônus igual se pagarem suas contas da TIM com o aplicativo C6. Você também pode pagar smartphones em até 18 parcelas e obter melhores retornos sobre o investimento em títulos bancários.
  • Enquanto isso, a Claro se associou ao Banco Pan. Os clientes que abrem uma conta no banco têm mais 600 MB de dados. A parceria é a mais recente a ser criada pela instituição financeira, que também trabalhou com o Personal Finance Fintech Mobilis e a droga Droga Raia.

Não sem precedentes. Grandes bancos como o Itaú já haviam seguido estratégias semelhantes – inclusive oferecendo bônus de dados a seus clientes – mas não de maneira tão agressiva. Além disso, os principais bancos estão se concentrando mais em outras parcerias, por exemplo B. com cinemas para aumentar a fidelidade do cliente. & Nbsp; & nbsp; & nbsp;

Por que isso é importante? O acesso à enorme base de clientes das operadoras de telecomunicações oferece aos bancos uma enorme oportunidade de crescimento. Enquanto isso, as operadoras estão ganhando vantagem em um setor com ofertas bastante semelhantes que geralmente enfrentam uma fraca satisfação do cliente.


Hackers brasileiros estão se tornando globais, mas ataques a empresas locais não param

Após anos focados em fraudes financeiras no Brasil, hackers locais estão ficando barulhentos investigador da empresa de segurança cibernética Kaspersky. Em sua recente descoberta, os pesquisadores descobriram que um grupo de quatro grandes famílias de cavalos de Tróia criadas por hackers brasileiros está se espalhando pela Europa e América Latina e tem potencial para chegar à América do Norte.

As ameaças No Kaspersky como “O Tetrade “, que são malwares de trojan:

  • Guildma: Ativo desde 2015. Ele depende muito de emails que contêm um arquivo malicioso em um formato compactado. A maioria das mensagens de phishing aparece na empresa, e novas tentativas chegam a citar a pandemia do Covid-19.
  • Javali: ativo desde 2017. Ele se concentra principalmente em clientes de instituições financeiras no Brasil e no México e também se espalha por meio de phishing.
  • Melcoz: Melcoz atua no Brasil há anos, mas é global desde 2018. Melcoz rouba senhas de navegadores e armazenamento e oferece acesso remoto para capturar acesso bancário on-line e até roubar carteiras de Bitcoin. Existem vítimas confirmadas no México e no Chile que levaram os pesquisadores da Kaspersky a acreditar que “os cibercriminosos brasileiros estão trabalhando com grupos locais de programadores e mulas para retirar dinheiro roubado, gerenciado por diferentes operadoras, e acessar sua infraestrutura e malware”. – designers vendidos. “
  • Grandoreiro: Está ativo desde 2016 e é o mais comum dos quatro cavalos de Troia. Existem códigos diferentes para operações no Brasil e no exterior. “O cluster focado no Brasil usou sites invadidos e o Google Ads para convencer os usuários a baixar o instalador mal-intencionado. A campanha para outros países usou o spear phishing como método de entrega ”, afirmam os pesquisadores.

Além do setor bancário. Com o Covid-19, as empresas brasileiras que tiveram que mudar para o trabalho remoto ficaram mais expostas do que nunca. Investigações da empresa de segurança cibernética CheckPoint mostraram que as empresas brasileiras foram atacadas 517 vezes por semana por hackers nos últimos seis meses, em comparação com 476 ataques em todo o mundo. & nbsp;

  • Cinqüenta e um por cento dos ataques ao Brasil nos últimos 30 dias foram feitos por email.
  • 35% das empresas locais não bloquearam o acesso a informações corporativas em computadores que não estavam conectados à VPN da empresa e abriram a porta para criminosos. & # 8221;

Por que isso é importante? As ameaças cibernéticas são uma ameaça crescente para as empresas brasileiras, pois podem ser severamente punidas no momento da aplicação da Lei Geral de Proteção de Dados Locais (LGPD). Além disso, o fato de os criminosos brasileiros trabalharem com outras pessoas nas redes globais de hackers pode colocar em risco países com menos segurança cibernética e aumentar exponencialmente as perdas.


Nota

  • Influência social. O Facebook selecionou 12 líderes comunitários no Brasil para participar do Community Accelerator 2020, um programa de treinamento de seis meses que fornece orientação e financiamento para expandir sua comunidade. Um total de US $ 3 milhões serão investidos em 77 executivos de todo o mundo. Os indicados brasileiros trabalham em uma variedade de tópicos, do empreendedorismo à ajuda de refugiados ao jornalismo em áreas vulneráveis. Veja a lista completa dos indicados Aqui.
  • Fintechs. O Mercado Libre está prestes a enfrentar a competição de pesos pesados ​​na Argentina. A Play Digital, uma empresa de tecnologia financeira com 25 bancos, incluindo os fundadores Santander, Macro, Galicia e BBVA, lançará a Dimo, sua própria carteira digital. De acordo com a InfobaeEle estará disponível gratuitamente para os clientes e incluirá uma função de pagamento QR. O objetivo também é fornecer transferências de dinheiro por meio de contatos telefônicos, o que facilita o envio de uma mensagem do WhatsApp. Não há lançamento oficial para o Dimo, mas fontes da Infobae estimam que o sistema estará pronto em setembro.
  • Administração pública. O legislador brasileiro tem um banco de dados digital compartilhar legislação local referente ao Covid-19. A idéia é ajudar os colegas a se inspirarem no trabalho de outros países e encontrar soluções comprovadas em casa. No mesmo sentido, um fatura Submetidos à Câmara dos Deputados, os sistemas para fornecer ajuda emergencial ao coronavírus estão disponíveis aos estados para facilitar os programas de transferência de dinheiro para as administrações locais.
  • M & amp; UMA. Niklas Ostberg, CEO da startup alemã Delivery Hero, disse à Bloomberg que a empresa com sede em Berlim está aberta a licitações para a empresa colombiana Rappi ou a Glovo, baseada em Barcelona, ​​depois de gastar US $ 105 milhões e US $ 58 milhões, respectivamente. USD investido nele. “Não conseguimos mais fazer fusões e aquisições e preferimos investir em nossos negócios (…). Mas se houver boas oportunidades, é claro que não hesitaremos em usá-las “, disse ele.
  • Banco aberto. O banco central brasileiro adiou a entrega da estrutura de governança para serviços bancários abertos até 24 de julho, depois que bancos, fintechs e cartões de crédito solicitaram um período mais longo. Relatórios Bravery Econômico. As empresas disseram que tinham pouco tempo para assinar contratos e não tinham certeza de quais documentos exibir. Enquanto isso, a autoridade monetária anunciou quais entidades setoriais farão parte do Conselho Bancário Aberto e serão responsáveis ​​pela definição das regras – incluindo a Associação Brasileira de Bancos (Febraban), a Associação de Fintechs (ABFintechs) e a Associação de Empresas de Cartão de Crédito (Abecs). .

Leia a história toda

Comece seu teste de 7 dias

cadastro

Inscrever-se para