Repressão incorreta de mensagens cria um precedente perigoso para a censura

Na sexta-feira, o Twitter e o Facebook bloquearam as contas de 16 pessoas pró-Bolsonaro investigadas por supostamente espalharem notícias falsas, seguindo uma ordem do Supremo Tribunal Federal. Os pesquisadores alertam que essa decisão, que corresponde a um primeiro pedido apresentado em maio, estabelece precedentes perigosos para o debate sobre a liberdade de expressão no Brasil.

As contas foram suspensas como parte da chamada investigação de notícias falsas, monitorada pelo juiz do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes. A investigação, que já havia levado a operações de busca e apreensão em maio, enfoca ataques contra membros do Supremo Tribunal Federal e a disseminação de informações falsas online.

Em sua decisão, o juiz Moraes argumentou que o bloqueio dessas contas de mídia social era necessário para interromper o discurso de ódio, subversão e encorajamento, e para quebrar a normalidade institucional e democrática. & # 8221; & nbsp;

Pesquisadores consultados por O relatório brasileiro alertou que o juiz Moraes & # 8217; A decisão recente é um precedente perigoso que permitiria a punição de conteúdo ilegal antes de sua publicação na forma de censura prévia.

Repressão incorreta de mensagens cria um precedente perigoso para a censuraRepressão incorreta de mensagens cria um precedente perigoso para a censura

& # 8220; O precedente é uma ordem de relutância prévia, no sentido de que você bloqueia contas não como uma punição, não como uma medida corretiva, mas como uma medida para o futuro, antes que alguém publique o conteúdo que você pode publicar considerado ilegal, & # 8221; explica Francisco Brito Cruz, diretor do Internet LabBr. Como exemplo, o Sr. Cruz cria uma situação hipotética na qual um político recorre a um tribunal para suspender um oponente político nas mídias sociais por atividades ilegais. O juiz competente agora pode exercer esse direito usando o juiz Moraes & # 8217; Decisão como um precedente. & nbsp;

Encerrar contas de mídia social é uma medida extrema, argumenta Priscilla Silva, pesquisadora de leis e novas tecnologias do ITS Rio. Ela explica que o procedimento normal seria no caso de um crime Remover uma postagem específica. Para justificar a decisão de bloquear uma conta, os tribunais teriam que mostrar que o crime estava em andamento.

Os pesquisadores concluem que a decisão de sexta-feira quebra um ciclo de precedentes positivos em relação a expressão livre no mais alto tribunal do Brasil.

Novo debate falso: conteúdo de comportamento

O problema está na idéia de regular o conteúdo, em vez de combater certos comportamentos prejudiciais, disse Cruz.

Se houver uma definição clara do crime cometido – por exemplo, abuso racista – o conteúdo é punível. Mas quando se trata de notícias falsas e desinformação, os limites são menos claros e muito mais subjetivos, explica ele.

Priscilla Silva, pesquisadora de direito e novas tecnologias do ITS Rio, argumentou que o juiz Moraes & # 8217; Uma ordem específica na sexta-feira não poderia fornecer uma justificativa que esclarecesse os crimes realmente cometidos.

& # 8220; Não nos diz exatamente quais crimes essas pessoas cometeram na Internet & # 8221; diz Silva. & # 8220; É sobre crimes de ódio, mas qual é o artigo legal por trás disso? & # 8221; & nbsp;


Uso político de controles de mídia social & nbsp;

Cruz argumenta que a cooptação política de ferramentas de controle de mídia social – como bloqueio de contas – já está em andamento. Para piorar a situação, o acesso ao sistema judicial também é desigual no Brasil. & # 8220; Sabemos que certas seções da população, certos nichos, têm melhor acesso à justiça & # 8221; ele disse.

E o juiz Moraes não é exatamente um árbitro neutro neste caso. A agência de pesquisa de fatos Aos Fatos mostrou que ele é o alvo da escolha do vitríolo extremista de direita online. 71% das contribuições negativas da Suprema Corte o mencionaram pessoalmente. Por ordem do presidente Jair Bolsonaro, a Procuradoria Geral da República entrou com uma ação para anular a decisão.

Silva disse que a investigação de notícias falsas colocou o Supremo Tribunal em uma nova situação em que a vítima, o promotor e o júri estavam todos ao mesmo tempo. & # 8220; É extremamente problemático & # 8221; Ela diz.

Leia a história toda

Comece seu teste de 7 dias

cadastro

Inscrever-se para