Paula Fernandes e Padre Fábio de Melo: Famosos abrem o coração e relatam Depressão e Síndrome do Pânico.

Bombando da RedeDestaqueVariedades13 de agosto de 201713 de agosto de 2017Simplesmente Rosa 0 ComentárioDeressão, Elas querem saber, Padre Fábio de Melo, Padre Fábio de Melorelata Sindrome do Pânico, Paula Feranades no Raul Gil, Paula Fernandes, síndrome do pânico, Traidos

Padre Fábio de Melo sobre síndrome do pânico: ‘Nunca chorei tanto’

O Padre Fábio de Melo passou por mais uma crise de pânico que o fez passar quase sete dias sem sair de casa. O cantor contou em seu perfil no Instagram nesta sexta-feira (11) que desta vez foi bem mais forte. “Fiquei praticamente uma semana trancado em casa, com sensação de morte, tristeza profunda e medo de tudo. Nunca chorei tanto na minha vida”, relatou ele, que passou a fazer sessões de psiquiatria. “Os medicamentos fizeram uma enorme diferença”, destacou.

Famoso nas redes sociais, Fábio de Melo confessou que agora consegue cumprir sua agenda, agora mais leve. “Estou me sentindo bem melhor, ainda que não me sinta inteiro”, destacou. “Quando estiver mais inteiro eu falarei mais sobre o assunto, pois sei que minha partilha poderá ajudar os que enfrentam o mesmo problema que eu. Por ora é viver, buscar o equilíbrio que Deus me concede através das escolhas que posso fazer”, acrescentou.

Paula Fernandes e Padre Fábio de Melo: Famosos abrem o coração e relatam Depressão e Síndrome do Pânico.Paula Fernandes e Padre Fábio de Melo: Famosos abrem o coração e relatam Depressão e Síndrome do Pânico.

Fábio de Melo terminou a postagem agradecendo pelo carinho dos fãs e prometendo que falará mais sobre o assunto “quando estiver mais inteiro”.Meus queridos amigos, Saibam por mim o que sobre mim é verdade. Há 3 meses enfrentei um problema grave familiar. Desde então parei de dormir direito e passei a enfrentar uma angústia muito grande. Há 20 dias tive sintomas de síndrome do pânico, diagnóstico que já tinha tido 2 anos atrás e que superei muito rapidamente na época. Desta vez foi muito diferente. Fiquei praticamente uma semana trancado em casa, com sensação de morte, tristeza profunda e medo de tudo. Nunca chorei tanto na minha vida. Meu amigo e médico Dr. Víctor Sorrentino recomendou-me uma psiquiatra de sua confiança. Desde então estou fazendo um tratamento. Os medicamentos fizeram uma enorme diferença. Tenho conseguido cumprir meus compromissos e procurado fazer uma rotina mais leve que me permita estar entre amigos que amo. Estou me sentindo bem melhor, ainda que não me sinta inteiro. Agradeço muito o carinho de todos vocês e também dos jornalistas que nos procuraram querendo tratar com respeito e profissionalismo o que tenho enfrentado. Quando estiver mais inteiro eu falarei mais sobre o assunto, pois sei que minha partilha poderá ajudar os que enfrentam o mesmo problema que eu. Por ora é viver, buscar o equilíbrio que Deus me concede através das escolhas que posso fazer. A foto escolhida para este post não é por acaso. Ela é expressão da leveza que quero sempre levar comigo.

Paula Fernandez sofreu depressão aos 18 anos

Se o Padre Fábio de Melo enfrentou, dias atrás, uma nova síndrome do pânico, o mesmo ocorreu com Paula. Porém enquanto ainda era anônima. Paula Fernandes abriu o coração no Programa Raul Gil deste sábado (12/08).

Em entrevista no quadro “Elas querem saber”, a cantora relatou que teve depressão que chegou durar três anos e chegou usar medicamento tarja preta: “Tive aos 18 anos. Foi ruim, mas ainda assim foi uma coisa que eu fiz que me fez crescer muito. Tive crise de pânico, depressão, fobia”, lembrou. No entanto a cantora superou e disse que serviu de experiência e ainda indagou: Já viram insensíveis com depressão?

Ainda durante a entrevista ao fazer um balanço da sua carreira, a cantora fez uma autoanálise. “Tenho muito orgulho do meu passado. Tenho orgulho de olhar para trás e saber que eu não segui nenhum caminho torto. Eu venci por competência, por talento e principalmente por disciplina, perseverança e garra”, afirmou.

Paula Fernandes rejeitou ter fama de antipática e atribuiu à timidez o seu comportamento mais reservado. “Em relação a antipatia, eu sempre fui muito tímida, tenho esse perfil mais caseiro, sou mais na minha. Demorou um tempo para eu me soltar um pouco mais”, explicou durante participação no quadro “Elas Querem Saber”, que o “Programa Raul Gil” (SBT) exibe neste sábado (12). “As pessoas estão entendendo que não é uma questão de antipatia”, acrescentou a cantora.

A sertaneja foi enfática ao falar sobre os boatos que a envolvem. “A única coisa que é bastante inconveniente quando eu penso na minha história de carreira são esses boatinhos, alguns acabaram se tornando verdade”, apontou a namorada de Thiago Arancam, por quem foi surpreendida durante show no Paraná. “Não me incomodam mais, o tempo passou e eu fui amadurecendo”, garantiu a sertaneja, já apontada como romance de Roberto Carlos. “Eu o vi pouquíssimas vezes. Ele é um cara maravilhoso, me deu a chance de ouro. Abriu um portal incrível para que as pessoas me conhecessem”, afirmou, negando ainda briga com o irmão de Leandro, morto em 1998 vítima de câncer. “Nunca tive problema com o Leonardo. Tenho muito que agradecer a ele. É referência”, acrescentou.

Na atração comandada pelo veterano, Paula disse já ter sido ciumenta e que seu novo sucesso, “Traidor”, é baseado em histórias que já viveu. “Nunca traí e nunca trairia porque eu acho que a gente trai a gente mesmo em primeiro lugar. É um desrespeito, um tipo de agressão moral e psicológica”, contou. Aliás, para ela, a traição deveria ser considerado um tipo de crime. Ao ser questionada se recebe muitas cantadas ou propostas indecentes, a intérprete de “Pássaro de Fogo” assegurou que esse tipo de abordagem não é mais tão comum. “De um tempo para cá diminuiu porque eu me posiciono demais”, explicou a namorada do músico, por ele presenteada com joias de rubi e brilhantes.

Depressão e Síndrome do Pânico.

A depressão normalmente vem após uma situação de perda (término de um relacionamento, morte de um parente, abandono, etc.). A pessoa depressiva fica negativa demais, perde a vontade de viver, de se arrumar, de trabalhar, para de comer ou come demais e não pensa mais no futuro. A vida do indivíduo vai parando aos poucos.

Já quem tem a Síndrome do Pânico se paralisa por causa da ansiedade extrema. A pessoa passa a ter medo de tudo, de todos, acha que vai morrer repentinamente, que irá enlouquecer e perder o controle da própria vida. E, em alguns casos, desenvolve-se a Agorafobia, que é uma evolução do quadro da Síndrome do Pânico.

E, quanto mais a depressão se intensifica, maior a mudança na química cerebral. Essa mudança pode levar o indivíduo a desenvolver também a Síndrome do Pânico posteriormente, mas isso não acontece com todas as pessoas que tem depressão, apenas em alguns casos, por isso é importante saber diferenciar as duas doenças.

Pessoas depressivasPessoas com a Síndrome do Pânico

  • Costumam ter uma personalidade melancólica, mesmo antes de ficarem doentes;
  • Acham que a morte é a solução dos seus problemas, por isso, muitos chegam a tentar o suicídio;
  • Tomam muitos calmantes por conta própria, para dormir e se esquecer de seus problemas;
  • Tendem ao abuso de álcool e drogas.
  • São pessoas geralmente trabalhadoras, criativas e muito produtivas no trabalho;
  • Cobram demais dos outros e de si mesmos;
  • Tem crises de pânico que se manifestam através de sintomas físicos;
  • Só se isolam porque passam a ter medo de tudo. A pessoa até quer sair de casa, mas o medo a paralisa, ao contrário da depressão, onde a pessoa deixa de sair porque perdeu a vontade de viver e o interesse nas coisas.