John Newton – Recreio

Arte / CulturaDestaqueNo Tom26 de maio de 20166 de agosto de 2016Magnus O’Donnel 0 ComentárioAmazing Grace.John Newton.No Tom

Hoje o No Tom traz um pouco da história do compositor de um dos mais conhecido hinos cristãos, não o único dele. Mas quem não curte o gênero, poderá gostar de sua história, uma história que por si só é um roteiro de filme.

Antes de ser compositor e pastor, John Newton foi um comandante de navios negreiros ingleses, seguindo, portanto, a mesma caminho que seu pai. Isso lá pela metade do século XVIII. Nesse período, Newton foi uma pessoa perversa, chegou a compor uma cantiga de escárnio para ridicularizar o capitão, que outrora havia o castigado e o rebaixado de seu posto por tentar escapar de suas obrigações no navio.

John Newton – RecreioJohn Newton – Recreio

Após capturar uma quantidade lucrativa de escravo, Newton ganhou permissão para ficar na África, onde trabalhava para um traficante de escravos inglês que vivia com uma amante africana. Essa mulher não gostava de Newton. Quando ele contraiu malária ela o tratou muito mal, queria até mesmo sua morte.

Tempos depois, John Newton foi acusado de roubar o traficante e, como consequência, foi acorrentado no convés do navio e mantido com pouca comida e água. John Newton passou a ter o mesmo tratamento dado aos escravos.

Mesmo em meio a tudo isso, Newton ainda consegui enviar algumas cartas a seu pai, nas quais pedia socorro. E socorro veio, era o navio Greyhound, enviado pelo seu pai. Ao todo, nosso cidadão londrino esteve 15 meses cativo na África.

A tempestade

Em 21 de Março de 1748, o navio em que Newton estava foi atingido por uma violenta tempestade e por pouco não naufragou. Acontece que Newton perdeu sua mãe aos 7 anos de idade, mas, até ali, ela já havia lhe ensinado as escrituras. E, em meio àquela situação, orou a Deus pois temia estar à beira da morte.

Não tendo o navio naufragado, Newton atribuiu aquilo a Deus, se converteu e começou a estudar para ser pastor.

Newton compôs o famoso hino “Amazing Grace”. Trata-se de sua história sintetizada em música, um clássico cristão que já ganhou versões em várias vozes e, provavelmente, muitos de vocês já devem ter ouvido alguma delas. Se não, poderá conferir agora.

Mesmo seus trabalhos tendo esse enfoque, penso que de alguma forma John Newton deixou sua contribuição para a música, Elvis Presley já se rendeu a “Amazing Grace”. Whitney Houston e Andrea Bocelli já emprestaram suas vozes a essa canção. Mais? Ainda tem o aclamado violinista e regente Andre Rieu, que já comandou um conserto baseado em “Amazing Grace”. Por isso achei válido trazer essa aquihomenagem. #NoTom.

Enfim, foi mais história do que música, mas valeu, (rs..). Abaixo, deixo mais algumas versões de “Amazing Grace” e você poderá escolher qual a sua preferida, além do que poderão conferir “How Sweet the Name of Jesus Sounds”, outra composição de John Newton.

Amazing Grace por Elvis Presley

Amazing Grace por Whitney Houston

Amazing Grace por Andre Rieu

Amazing Grace por Il Divo

Amazing Grace por Andrea Bocelli

Excelsa Graça (Versão em português)

How sweet the name of Jesus sounds

Relacionado