Jane Austen | Uma escritora revolucionária para a sua época

A vaidade e o orgulho são coisas diferentes, embora as palavras sejam frequentemente usadas como sinônimos. Uma pessoa pode ser orgulhosa sem ser vaidosa. O orgulho relaciona-se mais com a opinião que temos de nós mesmos, e a vaidade, com o que desejaríamos que os outros pensassem de nós.

Jane Austen

Para os que acompanharam as minhas postagens sobre minisséries britânicas perceberam que foram mencionadas algumas minisséries que era adaptações dos livros de Jane Austen. Mas quem é Jane Austen?

Mesmo que muitos já possa ter ouvido falar de alguma obra, algumas pessoas ainda tem muita dúvida se realmente vale a pena ler o livro dessa autora, afinal muitos se perguntam por que histórias criadas no ano 1797 faz tanto sucesso ate os dias de hoje.

Jane Austen é mais popular hoje do que jamais foi seus romances são lidos em todo mundo, e as versões de cinema e TV os levaram a milhões de pessoas. A ironia que utiliza para descrever as personagens de seus romances a coloca entre os clássicos, especialmente quando envolve o assunto traiçoeiro do namoro, são tão nítidos e espirituosos como quando ela escreveu. E as pessoas que vivem e em seus romances são inesquecíveis. Mas ela é uma espécie de mistério.

Jane Austen | Uma escritora revolucionária para a sua época
Jane Austen | Uma escritora revolucionária para a sua época

Jane Austen nasceu em 16 de dezembro de 1775, em Steventon, Hampshire, Inglaterra, sendo a sétima filha do reverendo George Austen, o pároco anglicano local, e de sua esposa Cassandra (cujo nome de solteira era Leigh). O reverendo Austen era uma espécie de tutor, e suplementava os ganhos familiares dando aulas particulares a alunos que residiam em sua casa. A família era formada por oito irmãos, sendo Jane e sua irmã mais velha, Cassandra, as únicas mulheres. Como era comuns na época os filhos serem educados fora de casa por tutores, Jane e Cassandra foram para a casa da Sra. Cawley, em Southampton, para prosseguir a educação sob sua tutela; porém tiveram que regressar para casa, devido a uma enfermidade infecciosa em Southampton.

A educação que Austen recebeu ali foi à única recebida fora do âmbito familiar. Por outro lado, sabe-se que o reverendo Austen tinha uma ampla biblioteca e, segundo ela mesma conta em suas cartas, tanto ela quanto sua família era “ávidos leitores de romances, e não se envergonhavam disso”.

Existem dois mistérios que mais sonda essa grande mulher, o primeiro era sobre qual seria a verdadeira aparência de Jane, já que só foi encontrada uma pintura feita por sua irmã Cassandra em 181 quando ela tinha 35 anos. Uma sobrinha achou “horrivelmente improvável”, mas o resto da família achou-o bastante próximo. Eles o copiaram e acrescentaram cor, e o gravaram ara a primeira biografia dela. Os olhos foram feitos maiores em “homenagem de afeto”, disseram.

O outro grande mistério é se realmente Jane Austen não teve nenhum relacionamento. Naquela época uma mulher não ser casada era um sinal de vergonha, já que se os pais dela morresse não teria ninguém para te sustentar. Não há provas de que Jane foi cortejada por ninguém, apesar de um breve amor juvenil com Thomas Lefroy (parente irlandês de uma amiga de Austen), aos 20 anos. Em janeiro do ano seguinte, 1796, escreveu a sua irmã dizendo que tudo havia terminado, pois ele não podia casar por motivos econômicos. Pouco depois, uma tia de Lefroy tentou aproximar Jane do reverendo Samuel Blackall, mas ela não estava interessada. Também existe algum registro de um culto e charmoso Sr. Ashford, quem realmente Jane estava apaixonada e que descrevia tudo ara sua irmã, porém não foi encontrado nenhum registro com esse nome.

Torna-se difícil precisar o momento em que Jane Austen começou a escrever. A existência de cadernos de notas contendo relatos assinala que o talento despertou em tenra idade. Em 1791, aos 16 anos, já dispunha de um bom número de exemplares armazenados; seus primeiros trabalhos se caracterizam por ser de uma extensão ligeiramente inferior às suas obras mais maduras, e por estarem em um inglês mais simples, fácil e livre de ornatos próprios de muitos escritores. Sendo de uma família que promovia a aprendizagem, a leitura e as letras, Austen desenvolveu um talento especial que a levou ao desejo de compor textos, sempre representando neles os valores familiares que ela achava importantes.

Porém por ser uma mulher não ser casada, as suas obras teve uma grande rejeição. Por isso acredito que Jane Austen foi uma mulher revolucionária para sua época, acreditando sempre que as mulheres poderia ter um espaço em uma sociedade que na época era totalmente machista.

De inicio Jane não gostava de ser revelada como a verdadeira autora daquelas obras, e dava sempre um nome fictício.

Austen começou Persuasão em agosto de 1815, mas um ano depois começou a se sentir mal. No início de 1817 começou Sanditon, porém teve que abandonar a obra por seu estado de saúde. Para receber tratamento médico foi levada a Winchester, onde faleceu em 18 de julho de 1817.

Suas últimas palavras foram: “Não quero nada mais que a morte”. Tinha 41 anos.

Em seu testamento, legou tudo o que tinha para sua irmã Cassandra. Na época, não se sabia a causa de sua morte; hoje, considera-se que foi Doença de Addison. Está enterrada na Catedral de Winchester.

O epitáfio, na catedral de Winchester, não menciona que foi a autora de seus conhecidos romances. Por ser uma mulher escritora a sua família achou melhor assim.

Ao todo Jane Austen escreveu seis romances:

-Razão e sensibilidade
-Orgulho e preconceito
-Emma
-Persuasão
-Mansfield Park
-Abadia de Norhanger

Bem, espero que vocês tenham gostado sobre essa incrível escritora, que é considerada a maior escritora de todos os tempos, de acordo com sua jornada de vida que arrasta milhões de fãs por todo o mundo e encanta a todos com sua literatura épica.