Jair Bolsonaro está brincando de esconde-esconde

Se você acompanhou nossos desenhos semanais, saberá que o presidente Jair Bolsonaro transformou o Brasil em uma trágica história de advertência sobre como não liderar um país durante uma pandemia global. Mesmo assim, a catástrofe continuou a piorar na semana passada, quando o governo maltratou e ocultou os principais dados da Covid 19. Em 7 de junho, o governo divulgou duas mortes drasticamente diferentes nas 24 horas anteriores: primeiras 1.382 mortes e depois apenas 525 uma hora depois. A ONG Transparency Brazil diz que a recente manipulação e omissão de dados pelo governo do presidente Jair Bolsonaro pode ser um ato criminoso e um crime – contra leis que garantem acesso a informações públicas e medidas emergenciais de saúde.

Tanto o presidente quanto o ministro provisório da saúde, Eduardo Pazuello, dizem: “Tudo o que foi dito nos últimos dias será explicado, e tenho certeza de que a população usará esse método de contagem de coronavírus”. No entanto, se o governo seguir o roteiro em que baseou suas decisões desde o início da pandemia, talvez nunca saibamos o que causou a desigualdade.

A imprensa brasileira revida

Os dados opacos compartilhados pelo governo reuniram a imprensa brasileira e reuniram as grandes mentes G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL para encontrar dados confiáveis ​​do Covid-19 e publicar.

Jair Bolsonaro está brincando de esconde-esconde
Jair Bolsonaro está brincando de esconde-esconde

Os esforços combinados dessas mídias coletarão dados das agências estaduais de saúde e os publicarão por volta das 20h, bem a tempo dos programas de notícias noturnos. Anteriormente, o governo adiava suas estatísticas diárias até tarde da noite, quando as notícias terminavam e as pessoas já estavam na cama. Uma decisão da Suprema Corte ordenou que o governo encerrasse essa prática desonesta.

continue lendo

O Brasil está tentando encobrir o número de mortes após o Covid-19

Cidades com poucas mortes por Covid 19 viram um aumento nas mortes por SDRA

O post que Jair Bolsonaro interpreta esconde-esconde apareceu pela primeira vez no relatório brasileiro.