Estados brasileiros postergam reabertura de escolas públicas e privadas

O governador de São Paulo, João Doria, confirmou hoje que o ensino presencial no estado está suspenso até o dia 5 de outubro. No entanto, as escolas podem reabrir no dia 8 de setembro para preparar e realizar atividades de recepção para os alunos. O plano original de São Paulo teria reaberto as escolas públicas e privadas do estado para o ensino presencial em setembro. As escolas em São Paulo estão fechadas desde 23 de março.

No Rio de Janeiro, o juiz estadual Peterson Barroso Simão decidiu que as escolas particulares não podiam mais retornar às aulas particulares na capital e derrubou uma medida anterior do prefeito Marcelo Crivella que permitia a reabertura das escolas particulares.

Ontem, O relatório brasileiro Cobriu a decisão do governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel de adiar a devolução das mensalidades individuais no estado até pelo menos 20 de agosto. No entanto, a decisão excluiu escolas privadas da capital paulista que haviam sido admitidas para o retorno às mensalidades de alunos de 6ª, 7ª, 11ª e 12ª séries.

Sete escolas particulares já haviam retornado às aulas particulares no Rio de Janeiro, o que levou o sindicato dos professores de escolas particulares locais (Sinpro) a organizar uma greve em 3 de agosto contra as condições de trabalho inseguras em meio à pandemia de Covid-19.

Estados brasileiros postergam reabertura de escolas públicas e privadas
Estados brasileiros postergam reabertura de escolas públicas e privadas

Na sua decisão, Simão sublinhou que actualmente não existem recomendações das autoridades sanitárias que justifiquem o regresso às aulas amplamente tidas como prematuras. O não cumprimento resultará na multa do prefeito Crivella em R $ 10.000 (US $ 1.869) por dia enquanto as escolas permanecerem abertas.

Apoie este relatório →Apoie este relatório →