Estação de incêndio causa problemas respiratórios na Amazônia

Dado o aumento do desmatamento na Amazônia este ano em comparação com o primeiro trimestre de 2019, o Instituto Amazônico de Pesquisa Ambiental (Ipam) alertou para um aumento nas doenças respiratórias devido à queima contínua das áreas de desmatamento.

Segundo o Ipam, atualmente há 1,11 milhão de acres de terra desmatada na chamada estação de incêndio da Amazônia no final de junho, que está “pronta para queimar” quando lenhadores queimam grandes áreas desmatadas para limpar a terra para agricultura e agricultura. Como já relatado por O relatório brasileiro, O relaxamento da proteção ambiental pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, contribuiu para o aumento de áreas desmatadas na região amazônica em 2020.

Os incêndios aumentarão bastante a poluição do ar na Amazônia, levando a um aumento no número de doenças respiratórias e na sobrecarga do sistema de saúde pública em uma região à beira do colapso devido aos altos números do Covid 19. Em 2019, as comunidades com mais incêndios florestais registraram um aumento médio de 53% na poluição do ar em comparação com o mesmo período do ano anterior.

“Controlar o desmatamento e os incêndios neste ano é uma medida de saúde pública além da proteção ambiental”, disse o pesquisador do Ipam, Paulo Moutinho.

Estação de incêndio causa problemas respiratórios na AmazôniaEstação de incêndio causa problemas respiratórios na Amazônia
Apoie este relatório →Apoie este relatório →