Especial Raul Gil Parte III – Entre Cartas e Cartazes

Olá leitores, hoje continuaremos contando a história e a trajetória do Seu Raul… Semana passada relatamos a história do programa Almoço com as Estrelas, o programa que antecedia o Programa Raul Gil entre o fim da década de 1970 e o começo dos anos 1980.

Raul Gil se estabeleceu na Rede Tupi em 1978, vindo de algumas temporadas na Rede Record, e ocupava o horário das 15h00, logo após o Almoço, e ia até as 19h00. Provavelmente tinha uma grande audiência, pois à princípio não tinha concorrentes de peso no horário e praticamente enfrentava só “enlatados” e desenhos (nessa época, o Chacrinha e sua buzina ocupavam a faixa do sábado à noite da Bandeirantes, concorrendo contra o Carlos Imperial na Tupi).

Porém a TV Tupi, como foi relatado semana passada, passava por muitas dificuldades, e acabou fechando as portas em meados de 1980. Com isso, Raul (e também o Almoço) foram para a TVS Carioca, que logo passou a ser retransmitido pela Record no Estado de SP. Mesmo assim, o programa ainda navegava por águas tranquilas, tendo como único concorrente o programa do Dárcio Campos (cantor da época e apresentou programas de auditório na Record, Band e por último na Gazeta, tudo isso em pouco espaço de tempo, depois sumindo da TV ainda nos anos 80, voltando à telinha apenas em projetos esporádicos).

Especial Raul Gil Parte III – Entre Cartas e Cartazes
Especial Raul Gil Parte III – Entre Cartas e Cartazes

Em agosto de 1981, Sílvio Santos inauguraria o SBT, e a faixa Sábado Especial (Almoço com as Estrelas e Raul Gil) integraram os sábados da nova emissora… no estado de SP era em dose dupla, pois a Record continuou retransmitindo ainda por alguns meses… Era realmente uma ótima fase, apesar do Programa Raul Gil ter perdido uma hora de duração (indo das 15h00 até as 18h00).

Porém, em 1982, o Sábado Especial começaria a se enfraquecer, pois além dos problemas entre o casal Rodrigues, no qual falamos semana passada, no mês de março Abelardo Barbosa, o Chacrinha, voltaria para a Rede Globo e ganha de presente o “Cassino do Chacrinha” nas tardes de sábado, passando a liderar a audiência até a sua morte em 1988.

No segundo semestre de 1983, duas mudanças importantes ocorreriam… O Almoço com as Estrelas é cancelado, passando a se chamar Clube dos Artistas, trocando o almoço de sábado pelas noites de sexta-feira. Por conta disso, Raul Gil passou a começar as 14h00 e “recuperou” aquela hora perdida de quando o programa estreou no SBT.

A outra mudança, dessa vez não muito boa, seria a volta de um outro apresentador que também acabaria marcando as tardes de sábado por muitos anos na Bandeirantes (em breve ele ganhará uma homenagem aqui)! Edson “Bolinha” Cury voltava à televisão depois de alguns anos afastado para comandar o Clube do Bolinha nas tardes de sábado para disputar a audiência direta junto com o Programa Raul Gil. Os dois programas acabariam num embate que durou por muito tempo (com uma pausa, por parte de uma situação complicada que o Raul viveu na carreira, história que veremos semana que vem)!

No final do ano de 1984, por conta de algumas transmissões do Campeonato Paulista, Raul Gil foi “repassado” de volta para a Record. Vale lembrar que o Sílvio Santos era sócio da Record dessa época, junto com o Paulo Machado de Carvalho, e mantinham uma parceria sólida, ao contrário de hoje. Chegaram a transmitir a Copa de 1986 juntas e a Record fazia a cortesia de retransmitir o “Programa Sílvio Santos” aos domingos (isso durou até 1987).

Nessa nova fase da Record, Raul Gil passou a começar as 15h00, depois do programa do Barros de Alencar (famoso pelos concursos de “cover” do Michael Jackson, alcançando grande audiência por conta disso, porém concorria pouco tempo contra o Raul quando ele estava no SBT). Raul ficou na emissora até 1987, quando, talvez pela baixa audiência e faturamento, ficou desempregado.

Uma curiosidade: Nessa fase do SBT, o Raul Gil utilizava o mesmo microfone clássico do Sílvio Santos, só que em vez de ficar preso no suporte, o Raul segurava na mão quando ia utilizá-lo. Na verdade, a maioria dos apresentadores nessa fase inicial tinham que utilizar o mesmo microfone do “Patrão”, talvez por superstição por parte do dono do SBT!

Depois de contarmos a parte cronológica, falaremos dos quadros que faziam parte do programa, principalmente na época do SBT, no qual se tem mais registros:

Quatro Azes e Um Coringa (posteriormente Cartas e Cartazes): No cenário do programa ficavam cinco cartas de baralho, com quatro artistas e um “super-astro” escondidos atrás das cartas esperando para poder cantar, e o Raul Gil fazia suspense com o auditório até revelar o artista. Posteriormente, por conta das vaidades dos artistas da época, a “carta coringa” foi eliminada! Pode-se dizer que o atual “Ding-Dong” do Domingão do Faustão é levemente inspirado no “Cartas e Cartazes”!

O que é o que é? (o famoso Banquinho): Quadro criado pelo Raul ainda na década de 1970, tinha como a única diferença a participação de um robô que aprovava ou não as palavras ditas pelos participantes. Esse robô aliás era interpretado pelo Marquito (ele mesmo, do Programa do Ratinho).

Calouros com Raul Gil: O concurso de calouros era bem diferente nessa época, era mais semelhante ao atual quadro “Dez ou Mil” do programa do Ratinho… os candidatos se apresentavam, recebiam o julgamento e ganhava ou não uma grana conforme a sua performance. O júri daquela época era composto por, entre outros nomes, Virgínia Lane (atriz e vedete), Nancy Gil (filha do apresentador), Jorge Mascarenhas (o mais exigente do júri, ficou por muitos anos, até o fim dos anos 90) e Augusto “Gugu” Liberato (ele mesmo, no começo da carreira, ainda começando a apresentar o Viva a Noite)!

Estamos chegando ao fim de mais um Memórias da TV, logo menos estaremos de volta. No vídeo abaixo, um trecho de uma apresentação dos Titãs no quadro “Cartas e Cartazes” em 1984.