Do morro ao asfalto: a abertura dos Jogos Olímpicos

Artigo enviado pelo leitor Ryan para a Coluna Social

(foto: reprodução)

Um espetáculo que ficará eternizado na memória de todos os brasileiros. O show que mostrou, a cultura do nosso país, foi do morro ao asfalto, passando por outros pontos da história.

Do morro ao asfalto: a abertura dos Jogos OlímpicosDo morro ao asfalto: a abertura dos Jogos Olímpicos

AS COMUNIDADES

“Mas eu só quero é ser feliz, e andar tranquilamente na favela onde eu nasci. E poder me orgulhar, de ter a consciência que o pobre tem em seu lugar” cantava Ludmilla. Este trecho mostra o quanto as comunidades merecem ser exaltadas. Não só pela pobreza, mas pelo fato de terem pessoas de bem que, mesmo vivendo com uma baixa renda, elas sabem ser felizes. E as comunidades, a pobreza, e a história de todas as pessoas que vem dos morros MERECEM SER EXALTADAS!

A GAROTA DE IPANEMA

“Com um doce balanço à caminho do mar” Em seu último desfile, Gisele Bündchen mostrou o quanto é poderosa. Desfilando ao som de uma das músicas que ficará na história, ela atravessou o Maracanã da forma mais brilhante e linda.

A SEXUALIDADE

Não sei se sabem, mas a moça (linda, por sinal) que conduziu a abriu passagem para Brasil passar, era uma transexual. Além de nos ter trago ótimas surpresas, a abertura dos jogos nos deu um belo tapa na cara com essa atitude. O que será que Bolsonaro, Feliciano e companhia devem ter achado? Não vou mentir, adoro!

A BOSSA NOVA

Anitta, que foi duramente criticada, calou a boca de alguns haters ao cantar com Gilberto Gil e Caetano Veloso. Saindo de um estilo musical, para se aventurar em outro, e obtendo resultados positivos. A imprensa internacional foi só elogios. Parabéns, Anitta.

ABERTO OS JOGOS #RIO2016

A ótima escolha de Wanderley Cordeiro de Lima para acender a pira do Maracanã, e do jovem de 14 anos (que vinha de uma comunidade, por sinal) para acender a do Centro da Cidade, deu início as competições.

Após um show belíssimo, o brasileiro — cheio de orgulho — começou a gritar: “EU SOU BRASILEIRO, COM MUITO ORGULHO, COM MUITO AMOR!” E assim acabava a abertura e era iniciada as Olimpíadas.

Vamos exaltar a nossa pobreza SIM! Vamos exaltar a nossa cultura SIM! Pois querendo ou não, a nossa história é linda e merece todo o RESPEITO!

Esta foi mais uma edição da Coluna Social.
Lembrando que a opinião do leitor não necessariamente reflete
a posição do site, mas respeitamos todas as opiniões divergentes,
para isto este espaço foi criado.

Participe também enviando seu artigo para
e-mail: siterecreio@gmail.com

Maiores informações Aqui

Relacionado