Como o “gritar” pode ser arte

Uma vez, acompanhando um programa de calouro, vi uma jurada dizer à candidata, que esta estava mostrando a vários cantores que cantar não é gritar, mas eu acredito que isso depende muito de como tudo é feito.

O que grandes cantoras, como Celine Dion, Whitney Houston e Mariah Carey, fazem não é simplesmente gritar, com essas cantoras e tantas outras, o “gritar” emociona, enfeita e embeleza a canção, simplesmente por tem controle e sabem fazer isso muito bem.

Além do gritar, há também a questão do melisma que é preciso cuidado para não passar do ponto. Em “I Will Always Love You”, observem como Whitney brinca com a voz, é como se ela desenhasse a canção e, em certo momento, ela segura o “I” por cerca de cinco segundos e foi ela a principal propagadora dessa técnica, embora Mariah seja considerada a rainha.

Para os calouros desses programas de shows de talentos, é importante que saibam segurar a emoção, pois é nesses momentos que costumam se ouvir as notas desnecessariamente agudas e que certamente soarão estridentes, desagradáveis. Sabedoria treino são essenciais para que o “gritar” se transforme em arte.

Como o “gritar” pode ser arte
Como o “gritar” pode ser arte