Cidade Alerta na triagem. – Recreio

Olá meus nobres leitores do Recreio. Hoje é sexta-feira e é dia do caminhão do lixo passar. Aqui na minha residência quem faz a coleta seletiva sou eu mesmo, minha esposa não tem muita paciência pra isso. Então vou separando o lixo reciclável do orgânico e assim antes de sair para o trabalho já ponho as sacolas na lixeira. Essa coleta seletiva é ótima, pois facilita o trabalho dos catadores de material reciclável. E viva a consciência ambiental e mental também. Mental? Sim também faço uma faxina na minha TV.

Há bons programas em cada canal, por isso vou em busca deles e separo dos demais produtos ruins. Um desses produtos ruins atende pelo nome de Cidade Alerta. Mas será que ainda tem algo que se aproveite desse programa? Vamos fazer uma triagem agora!

Certo dia, num feriado eu tive a difícil missão de tentar ver esse policialesco. A “atração” já começa com um momento comédia, descontração antes do desfile das graças alheias. Aí tem o Sr. Percival de Souza sentando em seu ‘trono’ servindo de chacota do Seu Rezende – é claro que tudo isso é só uma brincadeira para “descontrair”, só para deixar o programa menos pesado.

Cidade Alerta na triagem. – RecreioCidade Alerta na triagem. – Recreio

Quando o Cidade Alerta foi criado em 1995, o programa tinha um linha bem mais séria, mesmo mostrando imagens fortes. Ney Gonçalves Dias se destacou no programa tanto que, o SBT o contratou para fazer o ‘Aqui Agora’ em 1997. Eduardo Lafon viu no apresentador esportivo, José Luiz Datena, um ótimo apresentador para o programa policial.

Na melhor fase do Cidade Alerta, na melhor fase do jornalismo da emissora que foi na época de Luiz Gonzaga Mineiro; o Cidade Alerta representava a voz – a indignação do povo. Lembro quando o Datena chamou a reportagem de uma matéria do sertão nordestino, onde uma repórter entrevistava uma jovem senhora que perdeu seu bebe por causa da fome e a repórter interrompeu a entrevista e chorou copiosamente na frente da câmera.

Datena cobriu com maestria o sequestro do ônibus 174 no RJ. Numa época que a Record não era sensacionalista, o Cidade Alerta com essa cobertura, cravou 22 pontos de média, empatando com a novela das seis Esplendor da Globo.

Em 2004, como o canal 7 de SP havia crescido assustadoramente, Hélio Vargas já pensava em desligar o Cidade Alerta aos poucos até extingui-lo da grade. Tal atitude de Vargas, fez a Record tirar afiliadas do SBT – pois as mesmas não queriam o mundo cão em suas programações.

Meu caro leitor, imagine uma família vítima de um crime que tem sua trágica história contada nesse programa, com direito a reconstituição e discurso justiceiro de apresentador heroico e tudo mais; e mais na frente o mesmo programa vem com pitadas de humor – não dá pra engolir isso. De fato, pimenta nos olhos dos outros é refresco!

Em 2011, Douglas Tavolaro, ressuscita o programa dando evidências da regressão do canal. Aliás, Douglas Tavolaro merece uma medalha de ouro – pois ele cancela um programa que colecionava prêmios e deixa um programa que afugenta anunciantes e em nada acrescenta a sociedade que é o Cidade Alerta. As demais emissoras afiliadas da Record já se manifestaram contra o sensacionalismo que o jornalismo da emissora adotou. Então tentando achar algo que possa aproveitar no Cidade Alerta não encontrei nada, nada!

É triste num país de tantas mazelas, ligarmos a TV cedo da manhã e nos depararmos com tanta tristeza seja no Balanço Geral ( Cidade Alerta parte 1 ) ou no Primeiro Impacto. Não, não quero isso pra mim. Assim como faço faxina em cada canto da casa, na minha TV não é diferente e por isso, já está na sacola o lixo descartável chamado Cidade Alerta. Agora me deem licença que vou até a lixeira me livrar desse programa. Se todos assim fizessem – esse programa já teria saído do ar faz tempo.

Continue no Recreio e amanhã tem a última parte sobre a saída de Jô Soares da Globo.

Esses diretores de TV, eu hein…..aff!

Relacionado