Bullying, e se fosse com você?

Olá leitores do Recreio!

Sempre bom tê-los aqui.

Hoje aqui no Sutilmente

abordaremos o tema Bullying!

Bullying, e se fosse com você?Bullying, e se fosse com você?

Apesar de ser antigo e muitas vezes ser confundido com brincadeiras tem deixado sequelas, é um crime e atualmente é mais divulgado na mídia em virtude das consequências gravíssimas que muitas vezes chocam a sociedade.

Vivemos em tempos onde o “ter” é mais valorizado que o “ser”, não há maiores preocupações com as regras sociais, convívio coletivo, consequências de nossos atos.

Mas o que afinal é o bullying? Como reconhecer se está sendo praticado ao nosso redor? Como ajudar amigos ou conhecidos que passam por essa situação?

Bullying é um termo usado para descrever práticas de violência física ou psicológica de forma intencional e repetitiva. É uma palavra em inglês usada aqui no Brasil sem tradução.

Geralmente o alvo de quem pratica o bullying são pessoas tímidas, com pouco envolvimento social, pertence a grupos diferentes ou aquelas que não se submetem facilmente a regimes impostos em determinados ambientes.

Ele é praticado em diferentes formas e ocorre em todas as esferas sociais, porém é mais típico na adolescência. Na vida adulta ele se torna assédio moral. Além das escolas, na vizinhança, áreas de lazer, e, inclusive no trabalho.

Também ocorre na internet (Cyberbullying), através das redes sociais e seus aplicativos, causando sofrimentos incalculáveis à vítima, em virtude da velocidade com que a agressão se multiplica, e por ser, muitas vezes, de origem anônima ou falsa.

As causas deste tipo de comportamento são variadas incluindo o ambiente familiar onde sofrem de carência afetiva, ausência de limites criando uma personalidade soberba e invejosa e até mesmo sofrem ou presenciam agressões. Neste caso em casa são as vítimas e fora do ambiente familiar se tornam agressoras.

Ah, mas é só brincadeira, não precisa tanto mimimi… E se fosse com você?

Quem pratica o bullying, geralmente são pessoas cheias de si, geralmente quer se divertir e não se importa em fazer isso zombando das diferenças ou ferindo alguém, simplesmente não para.

A pessoa que sofre o bullying, geralmente vai se tornando cada vez mais tímida e isolada, na medida em que ocorrem as ofensas.

O bullying, além de tornar a vida da pessoa mais difícil e triste, pode deixar sequelas duradouras e causar danos emocionais profundos e extensivos que interferem em todas as áreas e fazes da vida como problemas de relacionamentos com pessoas e no trabalho, podendo se tornar graves em muitos casos como transtornos psicológicos, depressão, stress, baixa imunidade e autoestima, síndrome do pânico e em alguns casos suicídios. É necessário buscar ajuda e força de vontade da vítima para superar este tipo de trauma.

Por outro lado o agressor por se achar autossuficiente também sofre por não procurar ajuda, pensam que tudo se resolve através da violência, não sabem perder, tem problemas de relacionamentos e podem se envolver em delitos no futuro por querer sempre estar acima dos demais e sentirem-se importantes.

Alguns “famosos” foram vítimas de bullying e conseguiram superar.

Reportagens

Mas existem casos de bullying que terminaram em morte:

Portugal – Mirandela – 2010 História de Leandro Filipe –

‘Não apanho mais, vou-me atirar ao rio’

Leandro Filipe, de 12 anos, frequentava o 6º ano na Escola EB 2/3 Luciano Cordeiro, em Mirandela. Vítima de bullying era frequentemente ameaçado e agredido por colegas mais velhos. Um dia, Leandro não aguentou mais. Saiu chorando do estabelecimento de ensino e nem o irmão gêmeo nem os três primos, sensivelmente da mesma idade, o conseguiram parar. ‘Não apanho mais, vou-me atirar ao rio’, disse a criança, perante a incapacidade dos familiares que não o conseguiram demover. Márcio, gêmeo de Leandro, foi internado no Hospital de Mirandela em choque. Viu o irmão despir-se na margem e ainda o tentou agarrar. Não teve força, Leandro cumpriu a ameaça e se jogou no rio.

Também os pais de Leandro e a irmã de nove anos tiveram de receber tratamento. Estavam em estado de choque, não aceitavam o trágico desfecho. Um ano antes o menino esteve internado depois de ter sido agredido pelos colegas. Os pais apresentaram queixa, mas ninguém fez nada porque os outros eram menores’, contou ao CM Zélia Morais, avó de Leandro, desfeita em lágrimas. Também Tânia Baptista, de 11 anos, lembra que viu várias vezes Leandro a chorar. ‘Queixava-se que lhe batiam. Andava triste e não dizia por quê. Só que lhe batiam’, conta a amiga, que não consegue encontrar explicação para o fato de o menino ser rejeitado pelos colegas.

Brasil – Rio de Janeiro – 2011 – Tragédia na escola em Realengo

Em 7 de abril de 2011, doze adolescentes da Escola Municipal Tasso da Silveira no bairro de Realengo, na zona Oeste do Rio de Janeiro, foram mortas pelo ex-aluno Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, que depois cometeu suicídio.

A tragédia despertou forte “indignação, repúdio e consternação” em todo o Brasil, e na blogosfera de imediato se multiplicaram os lamentos e as demonstrações de revolta contra o assassino.

Quando começaram a ser divulgados ao público vídeos de Wellington encontrados no seu computador, percebeu-se que as várias referências feitas a fiéis e infiéis demonstravam um peso que ele carregava desde sua infância.

Num dos seus últimos vídeos, Wellington, desresponsabilizando-se pelas mortes que iriam ocorrer – “embora [seus] dedos [fossem] responsáveis por puxar o gatilho” – apresentava-se como representante dos que já foram vítima de bullying.

“Eu ainda me lembro de todas as humilhações que passei por estes covardes…Todos precisam saber que existem irmãos dispostos pra matar e pra morrer em defesa dos mais fracos… Que ainda estão na condição de ser incapazes de se defender…”

Estados Unidos – Nevada – 2013. Atirador de 12 anos de Nevada sofria bullying, diz amiga.

O garoto de 12 anos que nesta segunda-feira (21) matou um professor e feriu dois alunos antes de se matar estaria sofrendo bullying na escola Sparks, no Estado de Nevada, nos EUA. A informação foi divulgada por colegas do atirador, cuja identidade foi mantida em sigilo pela polícia para preservar a família.

O tiroteio em Nevada vem quase um ano depois de um atirador ter matado 26 pessoas na escola Sandy Hook, em Newtown, Connecticut.

Estados Unidos – Colorado – 1999

Dois estudantes da Columbine High School , Eric Harris, 18 anos, e Dylan Klebold, 17 anos, mataram 12 colegas de 1 professor da escola e depois cometeram suicídio. Os dois estudantes sofriam de bullying. Este caso virou um filme “Tiros em Columbine”, de Michael Moore, que ganhou o Oscar em 2003.

Brasil – São Paulo – 2003

Edmar Aparecido Freitas, de 18 anos, sofria bullying dos seus colegas de classe desde os 7 anos. Em 2003, o estudante foi no colégio em que estudou armado com um revólver, atingiu nove pessoas e depois se suicidou.

Estados Unidos – Virgínia – 2007

O estudante da Virgínia Tech, Cho Seung-hui, 23 anos, coreano, invadiu a universidade em que estudava, matou 30 pessoas, dentre uma delas, um professor, e depois se matou.

Esses são alguns casos de bullying que viraram tragédia. Isso porque as pessoas não se conscientizam de que o ato é humilhante e não uma brincadeira, e não percebem que isso prejudica o psicológico de uma pessoa temporariamente ou até para sempre.

Obrigada a todos e até a próxima!

♥♥♥