Boas notícias para 5G enquanto o governo reduz a burocracia das antenas

Hoje dividimos o resultado do PIB do segundo trimestre no Brasil. Algumas notícias positivas que aproximarão a tecnologia 5G da realidade. Bolsonaro faz do anti-Vax uma política de estado. E a relutância do Brasil em cumprir a Lei Geral de Proteção de Dados.

Bolsonaro remove grande gargalo de 5G

O presidente Jair Bolsonaro emitiu um decreto nesta terça-feira que vai facilitar a instalação de novas antenas no Brasil.

As empresas de telecomunicações não precisam mais pagar aos governos locais pelo direito de instalar seus equipamentos em estradas prioritárias, vias públicas e outros locais públicos. Além disso, os processos de licenciamento de novas antenas são acelerados.

  • Um projeto de lei de 2015 estipulou que as cidades devem analisar os pedidos de instalação de antenas dentro de 60 dias, mas como o nosso 28 de agosto Tech Roundup mostrado, esse processo pode levar até um ano em grandes centros urbanos, como a cidade de São Paulo. A falta de resposta regulatória agora constituirá aprovação tácita.
  • No início deste ano, Marcos Ferrari, presidente do Sindicato Nacional das Prestadoras de Serviços de Telefonia e Celular (SindiTelebrasil) disse O relatório brasileiro “Existem mais ou menos 4.000 pedidos de licença para novas antenas que foram bloqueados até agora.”

Por que isso importa. O Brasil tem atualmente cerca de 100 mil antenas, mas teria que dobrar esse número nos próximos quatro anos para permitir o uso da tecnologia 5G.

Investimentos antes de 5G. O vice-secretário de telecomunicações do Brasil, Artur Coimbra, estima que a nova regulamentação pode gerar investimentos de até R $ 3 bilhões em um ano.

Sim mas … Há outros Pontos críticos para 5G no BrasilB. se o governo excluirá ou não a fabricante chinesa Huawei do próximo leilão 5G.

  • Representantes do setor também estão fazendo campanha por cortes de impostos, principalmente para os cartões SIM usados ​​em telefones celulares. De acordo com Marcos Ferrari, a média de vendas anuais de cada cartão é de R $ 12 (US $ 2,22) enquanto o custo do imposto é de R $ 15.

O Brasil está oficialmente em uma área recessiva

Com queda de 9,7% do PIB no segundo trimestre (pior resultado trimestral de sua história), a economia brasileira entrou em recessão técnica. Os resultados não foram surpreendentes, mesmo que fossem um pouco piores do que as expectativas do mercado. No entanto, analistas ouviram de O relatório brasileiro O desempenho econômico tem apresentado alguns sinais de positivo: eles acreditam que o segundo trimestre atingiu o fundo do poço e que o país já pode estar (lentamente) em um caminho de recuperação.

Motivos de preocupação. A economia brasileira voltou ao patamar do terceiro trimestre de 2009 – o que significa que em poucos meses se perdeu toda uma década de crescimento. Embora a pandemia tenha atingido a economia global como uma bola de demolição, ela também mostra como a economia brasileira tem estado lenta nos últimos anos.

  • Setores industriais foram os mais atingidos, com a produção caindo 12,3% – o pior já registrado.
  • Consumo familiarA empresa, que responde por nada menos que 65% do PIB do Brasil, também registrou uma queda recorde de 12,5%. Os resultados teriam sido piores se não fosse o salário de emergência do governo de R $ 600 para coronavírus, que evitou que milhões caíssem abaixo da linha da extrema pobreza.
  • Investimentos caíram 15,4% no segundo trimestre – uma tendência que o Brasil precisa reverter com urgência para se recuperar.

Razões para ser otimista. O presidente Jair Bolsonaro anunciou a extensão do salário de emergência. O benefício será reduzido pela metade, mas será uma injeção necessária de dinheiro na economia.

Resultado final. O Brasil precisa de reformas para estimular o investimento – e Bolsonaro prometeu apresentar uma proposta ao Congresso amanhã sobre a reforma do serviço público. Para evitar reações políticas e facilitar a aprovação da lei, ele garantiu que as novas regras não afetassem os atuais funcionários – um dos lobbies mais poderosos de Brasília.

  • Há um ano, Bolsonaro interrompeu essa reforma. E o governo tem o hábito de quebrar promessas de propor reformas. Mais de 18 meses após assumir o cargo, o governo Bolsonaro ainda não apresentou uma reforma tributária completa – embora isso tenha sido anunciado como uma das principais prioridades em 2018.

Anti-Vax é política estadual agora

Vacina bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro falou a apoiadores na terça-feira, afirmando que “ninguém pode forçar ninguém a tomar uma vacina”. Momentos depois, os canais de comunicação oficiais do governo diziam: “O governo está lutando pela liberdade dos brasileiros”.

Por que isso importa. O Brasil tem um dos melhores programas de vacinação pública do mundo, mas a força crescente do movimento antivax está minando esse esforço e está fazendo com que certas doenças voltem.

Elemento político. Não é novidade para o presidente Bolsonaro usar o argumento da liberdade individual para promover uma mensagem anticientífica. Desta vez, porém, o discurso anti-Vax pode estar relacionado à sua campanha de reeleição em 2022. O governador de São Paulo, João Doria, usa a posição privilegiada de seu estado para ajudar Ensaios de vacina contra o coronavírus como uma forma de progredir politicamente – possivelmente fortalecendo seu próprio desafio para o presidente. Aumentar esses esforços pode ser do interesse político de Bolsonaro.


O que mais você precisa saber hoje?

  • Privacidade. A nova lei brasileira de proteção de dados foi aprovada em 2018, mas a maioria das empresas nunca adaptou seus processos às novas regulamentações. Uma pesquisa da Akamai Technologies mostra que 64% das empresas não estão cumprindo os novos regulamentos de proteção de dados – e 24% nem sabiam da existência da lei. As sanções podem ser impostas em 2021.
  • Governador. Supremo Tribunal Federal (STJ) decide hoje se mantém decisão de um de seus juízes na sexta-feira suspender o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, do cargo. Ele é suspeito de dirigir uma rede de corrupção para desviar fundos do Estado, mas classificou sua suspensão como um ato político a favor do presidente Jair Bolsonaro. Enquanto isso, os promotores federais dizem que estão “firmemente convencidos” de que Witzel deveria ser preso para evitar adulteração de provas e devem entrar com outra queixa formal contra ele.
  • Energia. O presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto provisório reduzindo as contas de luz até 2025. No entanto, a lei não explica o que serão esses cortes – e quem os receberá.
  • Gás. A Câmara aprovou legislação que criaria mais competição no mercado de gás e limitaria a participação de mercado da estatal Petrobras. Se o projeto for aprovado no Senado, o governo espera novos investimentos de R $ 60 bilhões em cinco anos – além de redução da conta do gás em até 40%. No entanto, as reduções de preços para o consumidor final são improváveis ​​no curto prazo.
  • Bancário. Em um Arquivo de títulosO banco privado Bradesco assinou um acordo com o JPMorgan para facilitar a potencial transferência de clientes do JPMorgan no Brasil para o Bradesco. O banco com sede em Nova York administra cerca de R $ 20 bilhões (US $ 3,7 bilhões) em sua unidade de private banking no Brasil – e, de acordo com o Bradesco, continua a fornecer aos clientes brasileiros produtos e serviços no exterior.
  • Eleições. O adiamento das eleições locais devido à pandemia acabou beneficiando os candidatos com crenças anteriores. No Brasil, aqueles com um recurso malsucedido perdem o direito a cargos públicos após uma condenação criminal por oito anos. Pessoas que não eram mais elegíveis em 2012 e deviam deixar a política em outubro de 2020 agora podem se candidatar este ano, já que as eleições serão em novembro – e o Supremo Tribunal Eleitoral decidiu contra a extensão da sentença.
  • Nova fatura. O banco central inicia o novo Fatura de R $ 200 hoje. De acordo com o banco, a decisão de criar a nova cédula ocorreu quando houve aumento do uso de dinheiro impresso no Brasil. No entanto, especialistas afirmam que as notas grandes facilitam a vida dos lavadores de dinheiro e do tráfico de pessoas.
  • Lava-jato. Deltan Dallagnol deixou seu posto de promotor-chefe da Operação Lava Jato após seis anos. Suas ações foram então questionadas A interceptação revelou mensagens privadas que foram trocadas entre ele e o ex-juiz Sérgio Moro, o que mostra que o promotor e o juiz coordenaram muitas de suas ações, o que levanta a suspeita da justeza de muitos casos. O Sr. Dallagnol tem sido alvo de muitas investigações disciplinares – a maioria delas adiadas – e está deixando a operação porque está perdendo posição e poder no Ministério Público Federal.

Leia a história completa AGORA!

Comece seu teste de 7 dias

cadastro

Inscrever-se para

Boas notícias para 5G, com o governo cortando a burocracia das antenas, apareceram pela primeira vez no relatório brasileiro.