Apesar de todos os riscos, as cidades coloniais do Brasil estão mais uma vez se abrindo para o turismo

Com sua arquitetura colonial tradicional e ruas de paralelepípedos, as cidades ao longo da chamada Estrada Real, que outrora ligavam as minas de ouro no estado de Minas Gerais ao litoral do Rio de Janeiro, são um ponto turístico do Brasil. No entanto, desde que a pandemia de Covid 19 foi declarada, esses locais se tornaram cidades fantasmas. Um vídeo postado por empresários locais com material de drone percorreu as ruas da cidade colonial de Tiradentes, mostrando o ponto turístico em um país abandonado com espaços vazios que geralmente são cheios de visitantes de todo o Brasil e do mundo. As celebrações de Páscoa extremamente importantes da região – enormes mudanças de dinheiro graças à miríade de igrejas do Patrimônio Mundial ao longo da Royal Road – foram canceladas e as dificuldades econômicas resultantes atingiram duramente os habitantes locais.[/restricted]

Em algumas dessas cidades, até 90% da renda familiar depende do turismo. Dado o desespero, muitas dessas cidades decidiram retomar os negócios durante as férias de Corpus Christi na semana passada. E a demanda estava lá. Os visitantes lotavam essas cidades ao longo da Royal Road e embalavam calçadas, pousadas e restaurantes. A quantidade de turistas que lotaram a região da Serra do Cipó – ao norte da capital do estado, Belo Horizonte – causou imensos engarrafamentos nos postos de controle sanitário das rodovias.

Se você pula em uma dessas cidades turísticas, não consegue imaginar que o Brasil ainda está na pior pandemia de um século – um cenário assustador para o estado de Minas Gerais, em que a taxa de infecção e morte por coronavírus ainda está aumentando.

Empreendedores locais e trabalhadores dependentes do turismo, para sobreviver, reabriram enquanto os líderes comunitários protestavam. Um grupo de moradores protestou em uma ponte entre os municípios de Jaboticatuba e Santana do Riacho. Eles usavam roupas pretas, máscaras e luvas protetoras e, sem sucesso, pediram que os turistas mudassem de carro e voltassem para casa.

Apesar de todos os riscos, as cidades coloniais do Brasil estão mais uma vez se abrindo para o turismoApesar de todos os riscos, as cidades coloniais do Brasil estão mais uma vez se abrindo para o turismo
Cidades coloniais do Brasil estão reabrindo para o turismo, apesar dos riscos
Tiradentes, Minas Gerais. Em algumas cidades, a renda familiar depende apenas do turismo. Foto: Caio Pederneiras / Shuttersstock

O setor de turismo se beneficia no Dia dos Namorados

A cidade de Monte Verde – uma região de clima frio nas montanhas da Serra da Mantiqueira – decidiu reabrir para o turismo em 4 de junho, antecipando o Dia dos Namorados em 12 de junho, a resposta do Brasil ao Dia dos Namorados. De acordo com a agência local de desenvolvimento de negócios, a indústria hoteleira usou o período de desativação para “renovar” suas atrações locais.

Aparentemente, a estratégia funcionou. Quase todos os quartos disponíveis – com pousadas limitadas a 40% de sua capacidade – estavam lotados. No entanto, algumas mudanças tiveram que ser feitas. “Já não limpamos os quartos dos hóspedes durante a estadia – somente antes e depois do check-out. E as tarifas para a temporada são significativamente mais baixas que o normal ”, disse Luís Gustavo Cuadra de Almeida, dono de uma pousada de luxo em uma montanha em Monte Verde.

As autoridades dizem que, se a reabertura levar a um aumento de infecções, as restrições poderão ser reintroduzidas.

“Turistas vão para casa”

O vírus da coroa obrigou a cidade de Extrema – um ponto importante para o turismo de natureza no sul de Minas Gerais – a fechar suas fronteiras para pessoas de fora.

Desde 5 de junho, a cidade de 36.000 casos teve 64 novos casos, um total de 226. Embora existam medidas estritas de isolamento social desde o início da pandemia, as autoridades decidiram intensificar o controle e o toque de recolher. Ninguém é permitido nas ruas das 18h às 18h.

Outra cidade de Minas Gerais que baniu turistas é a cidade termal de Poços de Caldas, a maior atração do sudoeste do estado. A maioria dos 50 hotéis está fechada e os funcionários passam férias juntos. Desde 23 de março, apenas carros com placas da cidade podem entrar nos limites da cidade.

Embora o varejo tenha sido reaberto na semana passada, Poços de Caldas teve a maior taxa de isolamento social da região: 42%, segundo a empresa de geolocalização In Loco. Em 16 de junho, a cidade havia registrado 93 infecções por coronavírus e quatro mortes. As autoridades afirmam que o vírus foi trazido pelos turistas.[/restricted]