Acordo comercial Coreia do Sul-Mercosul paralisado pela Covid-19

Brasil e Coreia do Sul mantêm relações diplomáticas há 60 anos. Em 2019, o comércio entre os dois países atingiu R $ 9,1 bilhões, e os investimentos diretos da Coreia do Sul no Brasil somaram R $ 19,7 bilhões. Desde então, há expectativas de um acordo comercial entre Seul e o Mercosul, bem como intercâmbios bilaterais na política e nos negócios entre outros setores.

As empresas sul-coreanas também estão olhando para o Programa de Parceria de Investimento (PPI) do governo brasileiro e esperam participar de importantes obras de infraestrutura.

No entanto, o governo brasileiro vem sofrendo pressões para firmar contratos com a Coreia do Sul, a maioria proveniente da Associação Nacional da Indústria (CNI). A entidade afirma que um acordo entre o Mercosul e a Coréia do Sul reduziria o PIB de grande parte dos setores da agricultura, extrativismo, transformação e serviços. Previsões de especialistas em CKD mostram que a abolição da tarifa de importação prejudicaria 51 setores da economia brasileira.

Autoridades da indústria brasileira temem que a Coreia do Sul seja o segundo maior alvo do mundo em casos de anti-dumping. Dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) mostram que, em 2008 e 2019, 148 medidas foram tomadas contra Seul por práticas consideradas desonestas. Apenas a China recebeu mais reclamações.

Acordo comercial Coreia do Sul-Mercosul paralisado pela Covid-19
Acordo comercial Coreia do Sul-Mercosul paralisado pela Covid-19

Por outro lado, em uma entrevista também O relatório brasileiroO embaixador da Coreia do Sul no Brasil, Kim Chan-Woo, reiterou que os acordos são de grande benefício para todas as partes e teriam sido concluídos sem a pandemia de Covid-19. Ele também falou sobre o interesse das empresas sul-coreanas em investir no Brasil, dizendo que aumentaria se as reformas administrativas e tributárias fossem aprovadas.

Leia a entrevista completa abaixo:

Quais são os avanços nas negociações do acordo entre a Coréia do Sul e o Mercosul?

As negociações do acordo comercial entre a Coreia do Sul e o Mercosul ocorreram no Uruguai em fevereiro deste ano pela quinta vez. No entanto, devido a essa inesperada pandemia de Covid-19, foi impossível realizar mais reuniões para discussão. Os governos da Coreia do Sul e do Brasil acreditam que a celebração do acordo terá um impacto positivo nas economias de ambos os países.

Portanto, ambos os países compartilham o desejo de continuar esforços para que as negociações sejam concluídas em breve. A expectativa é que a conclusão dessas negociações traga vários benefícios. Além disso, o negócio não beneficiará apenas o comércio bilateral, mas também atingirá os dois países & # 8217; Economias em sentido amplo, ampliação da cooperação bilateral, que no médio e longo prazo contribuirá para a renovação estrutural e melhoria do nível de tecnologia brasileira.

Quais são os principais investimentos sul-coreanos no Brasil e como podem ser ampliados?

De acordo com o Ministério da Economia do Brasil, os investimentos sul-coreanos no país somam US $ 19,7 bilhões desde 2004, demonstrando o dinamismo dos investimentos das empresas sul-coreanas no Brasil. De acordo com um relatório das Nações Unidas de 2019, & # 8217; Comitê Econômico para a América Latina e o Caribe, os investimentos das empresas sul-coreanas na América Latina são, em grande parte, investimentos greenfield, um modelo de investimento que implica a construção de plantas industriais com mão-de-obra local e é fundamental para o desenvolvimento da economia regional.

Com a conclusão do acordo comercial entre a Coréia do Sul e o Mercosul, esse tipo de investimento das empresas sul-coreanas deve aumentar. Por outro lado, após a reforma da previdência [approved last year by Brazil’s Congress]As reformas administrativas e tributárias em andamento aumentarão a atratividade do investimento estrangeiro no Brasil. Além disso, a Coreia do Sul monitorará o progresso da adesão do Brasil à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

O governo brasileiro anunciou projetos de reestruturação da infraestrutura, por exemplo, rodovias e ferrovias. As empresas sul-coreanas planejam aderir a esse esforço?

o Mercado de infraestrutura no Brasil é enorme e atraente. Se fosse possível, as empresas sul-coreanas teriam interesse em participar ativamente de projetos como uma linha de alta velocidade entre o Rio de Janeiro e São Paulo Projetos. A Embaixada da Coréia do Sul anuncia ativamente os Programas de Parceria de Investimento (PPIs) do Governo Brasileiro. Em outubro acontecerá o Fórum Econômico Coreia do Sul-Brasil, para o qual serão convidados especialistas brasileiros em infraestrutura. Além disso, está prevista a constituição de um grupo de trabalho entre os dois governos para resolver este problema.

A Coreia do Sul transformou empresas nacionais como LG e Samsung em grandes empresas internacionais. O Brasil ainda não chegou. Qual é a fórmula para o sucesso da Coreia do Sul?

Em termos territoriais, a Coreia do Sul é um país pequeno com recursos naturais limitados, por isso essas empresas tinham grande necessidade de estar presentes no mercado externo. Para atender a essa necessidade foi necessário criar recursos humanos e uma rede de apoio com empresas globais [the Korea Trade-Investment Promotion Agency] Kotra fez e desenvolveu tecnologia industrial por meio de agências como [the Korea Institute of S&t Evaluation and Planning] Kistep. Acredito que esses três tipos de diretrizes ajudarão esses negócios globais a crescer com sucesso.

A estratégia da Coreia do Sul para combater a Covid-19 tem sido vista como um exemplo para a comunidade internacional. O que o Brasil pode aprender com o país?

Na verdade, a estratégia de combate à Covid-19 pode variar de país para país, dependendo do nível de atendimento médico, das condições geográficas, entre outras coisas. Não acho que haja uma solução única para todos os problemas. Em relação à estratégia da Coréia do Sul desde o início do Pandemia do covid-19Medidas como trabalho remoto e ensino online foram tomadas para estabelecer um forte sistema de distanciamento social. Além disso, com o uso da TI, um dos pontos fortes do país, alcançamos um resultado muito eficaz no exame, identificação e tratamento de pacientes, o que chamamos de estratégia 3T.

E quais estratégias a Coreia do Sul seguiu para minimizar o impacto econômico causado pela Covid-19?

Com a pandemia de Covid-19 em andamento, temos uma tendência global de alta demanda por soluções não apresentadas e a busca por uma economia sustentável de baixo carbono. Em resposta, o governo sul-coreano está montando um Novo Acordo Digital para acelerar a transformação da economia atual em uma economia digital e o Novo Acordo Verde para avançar para uma economia sustentável de baixo carbono.

Estes são os dois pilares principais do Política do Novo Acordo da Coréia do Sul atualmente em andamento. A ideia é compensar as perdas econômicas causadas pela Covid-19 e gerar empregos. O desenvolvimento de energia solar e sistemas de armazenamento de energia, contemplados pela política do New Deal Verde entre outras, pode ser um ponto de cooperação entre os dois países com a política brasileira de energias renováveis.

Quais são os planos para fortalecer a cooperação entre a Coreia do Sul e o Brasil na era pós-Covid-19?

O mundo vive uma realidade nunca antes vista de & # 8216; novo normal & # 8217; por causa da Covid-19. Uma visão de negócio e indústria deve buscar estratégias que estejam alinhadas a esta nova realidade. Devido à Covid-19, as fronteiras foram fechadas, o que está afetando a economia global. Para experimentar essa nova realidade, precisávamos de um sistema mais aberto de comércio exterior. Percebi particularmente a importância da comercialização de equipamentos e insumos médico-hospitalares, entre outros insumos importantes para a continuidade da atividade econômica, bem como a necessidade de viabilizar a livre circulação de executivos.

Para que a cooperação internacional permita que a cadeia de valor global funcione normalmente, espero que a cooperação bilateral e multilateral seja fortalecida. Além disso, a embaixada da Coréia do Sul, em colaboração com o think tank Fundação Getúlio Vargas, está conduzindo pesquisas para identificar as melhores formas de melhorar a cooperação bilateral em vários setores, como política e negócios.

Que estratégias a Coréia do Sul tem seguido para evitar perder batalhas na guerra comercial EUA-China? Onde está a Coreia do Sul? O que oferece e do que não desistirá?

Os EUA e a China são os dois maiores países do mundo em termos de volume de comércio. Claro, o comércio sul-coreano é afetado pelas consequências da guerra comercial entre os dois países. A Coreia do Sul tem acordos comerciais com os EUA e a China. Os efeitos potenciais da guerra comercial são discutidos bilateralmente com cada país. Se isso for necessário, existe a possibilidade de uma solução multilateral. A Coreia do Sul foi o primeiro país do mundo a implementar a tecnologia 5G. Com nossos pontos fortes em TI, podemos enfrentar os desafios que surgem das diferenças de opinião entre os dois países.

Leia a história completa AGORA!

Comece seu teste de 7 dias

cadastro

Inscrever-se para