A reabertura aumentará os níveis de aprovação do governador

Uma pesquisa realizada pelo DataPoder360 mostra que governadores e prefeitos tiveram um aumento nas taxas de aprovação nas últimas duas semanas – logo no início da reabertura de suas economias. No entanto, especialistas alertaram que era muito cedo para voltar ao normal e que as curvas de infecção e morte poderiam aumentar nas próximas semanas.

Pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Fundação Getulio Vargas prevêem um aumento de 71% nas mortes por coronavírus no estado de São Paulo até o final do mês. Até agora, o vírus matou mais de 10.500 pessoas no estado mais populoso do país.

Quem avalia o desempenho dos governadores durante a pandemia é mais crítico com o governo do presidente Jair Bolsonaro. No nordeste, um reduto da esquerda, as taxas de aprovação do governador são de 56%, enquanto no sul, onde o apoio ao presidente é mais forte, apenas 23% dos eleitores concordam com seus administradores estaduais.

A necessidade de bloqueio

Em contraste com as atividades das administrações regionais, o epidemiologista Pedro Curi Hallal deve dizer que o Brasil não deve relaxar as regras de isolamento social, mas reforçá-las. Hallal, reitor da Universidade Federal de Pelotas, apoia o “forte fechamento de 15 dias” como a única maneira de suavizar a curva de infecção no país. “O Brasil pode cair rapidamente para o mesmo nível de países como Alemanha, Itália, Espanha ou Estados Unidos”, afirmou.

A reabertura aumentará os níveis de aprovação do governadorA reabertura aumentará os níveis de aprovação do governador

As investigações da consultoria Bain & Company seguem a mesma direção e sugerem que pelo menos sete estados brasileiros correm grande risco de precisar de uma proibição completa no futuro próximo.

Segundo Matthew Richmond, pesquisador associado da London School of Economics, seria quase impossível para as autoridades tomar medidas estritas de isolamento. “A aplicação da lei não teria estrutura suficiente para aplicá-la sem uma grande adesão do público. No entanto, as condições econômicas deterioradas e o apoio menos popular ao isolamento estão fazendo com que seja um tiro no escuro”, disse ele. O relatório brasileiro.