Muda-se o foco, mas a hipocrisia continua.

Foto: Reprodução/TV Globo/Babilônia, Fernanda Montenegro, Nathalia Timberg

Olá nobres. Como opinião é igual a umbigo – cada um tem o seu; vou ser breve no que acho sobre as novelas e séries da Globo atualmente.

Sei que não é do tempo de muitos aqui que comentam no site, mas se formos olhar para as produções como ‘Grande Sertão Veredas’, Anos Rebeldes, O Primo Basílio…. agente era atraído pelo enredo dessas grandes obras. As cenas sensuais eram digamos “um detalhe” e ficavam em segundo plano. As “cenas apimentadas” eram secundárias – estavam incluídas no pacote.

Hoje acontece com muita frequência exatamente o contrário. O apelo erótico vem em primeiro lugar seguido da história. ‘Nada Será Como Antes’ e ‘Verdades Secretas’ são um belo exemplo de que o foco de divulgações dessas produções foram o forte conteúdo sensual apresentado do que pela história em si. A 1a citada o público ficou fisgado pelo romance gay entre as personagens de Bruna Marquezine e Letícia Colin do que pela história em si que foi a transição do rádio para a televisão na década de 50.

A novela das onze que foi protagonizada por Camila Queiroz foi destacada pelo conteúdo erótico com corpos de atores nus e tudo mais como manda o figurino. Só acho que esse forte apelo erótico não deveria roubar a cena e não desviar o foco que é a temática da história em si, ou seja, que esse bombardeio de sensualidade não carregue essas séries e novelas nas costas.

‘Dalva e Herivelto ( que teve uma das melhores atuações da carreira de Adriana Esteves, se não a melhor ) foi uma microssérie de altíssima qualidade que só mostra que a Globo deveria fazer somente marketing do “centro da história” e o resto é consequência.

Vamos agora para a novela Babilônia onde autor pôs um homofóbico na trama e esse personagem de nome Aderbal era evangélico. Eu como não tenho religião e não sigo placa de denominação alguma, acho que posso falar disso um pouco. Novelas ainda ditam normas, comportamentos e você deve ter ouvido por aí que tal ator/atriz não teve uma “boa recepção” nas ruas por conta de seu/sua personagem vilão/vilã. Quando se aborda um personagem homofóbico ou religioso ladrão representando uma classe – chega a ser grave isso!! Não acho nem um pouco legal esse tipo de apresentação para o publico.

O pastor Claudio Duarte disse no quadro ‘Elas Querem Saber’ do Programa Raul Gil que não concorda com a prática da homossexualidade, mas que aceita o homossexual. Diz ainda Claudio Duarte que conviveu muito bem com um irmão que é homossexual, onde este foi mais que irmão – um amigo. No final, Thammy Miranda que participa do quadro, disse que de todos os entrevistados até mesmo os mais moderninhos, Claudio Duarte foi o que mais a respeitou. No fim do programa Cláudio Duarte dá um emocionado abraço na Thammy fomentando assim, que dá muito bem pra se conviver com que pensa diferente. Vamos acabar com essa demagogia criada por essa bandeiras separatistas( “ismos” disso e daquilo ) – que discordar de uma ideologia implica em não respeitar. Isso é mentira!!! Caro leitor(a) vou dar um exemplo: se eu sou fumante e você não é – agente vai conversar numa boa, manter uma boa relação; mas na hora que eu acender um cigarro, eu vou respeitar seu espaço e me retirar pois você não concorda com essa prática – simples assim!!! Eu sou responsável pelo que faço com meu corpo e ninguém deveria dar pitaco, a não ser que eu permitisse. Só não devo é prejudicar meu próximo. Pronto morreu o assunto e vamos adiante.

Acho uma baita demagogia o que estão fazendo com o ator José Mayer. Uma maioria do meio televisivo execrou o ator e alguns saíram em defesa do mesmo. Que hipocrisia apagar toda a trajetória dele por conta desse ato infeliz. Só ele e a figurinista sabem como isso se arrastou até chegar onde chegou. Não estou defendo-o muito menos acusando a figurinista. Ele já fez a sua carta ‘mea culpa’, mas o que importa é que fez e formalmente; acredito que está verdadeiramente arrependido e o que mais interessa é o perdão de sua esposa.

Ora, meu nobre leitor(a) você já deve ter ouvido de tanta sujeirada debaixo do tapete desse meio televisivo. Ah se esses sofás desses testes para novelas falassem……..já teve caso de alguns anos atrás, um ator denunciar um grande diretor de TV que lhe prometera um papel numa novela. Olha o caso de um ator que foi preso portando droga e um outro que se meteu em confusão no Nordeste. Parece que há “pecadinho” e “pecadão”. Na atual sociedade, é pecado roubar, matar, cometer crime desse patamar pra cima; mas se um cara casado falar que deu uma puladinha de cerca pro seus “amigos” – ah isso vai ser aceito com muita naturalidade – “que lindo”, é como comprar pão na padaria. Ou o filho que tem que pegar todas as garotas pra mostrar sua “macheza” para o pai, mas a filha se fizer isso vai ser mal falada. Tudo isso me faz sentir que estou num açougue onde vou ali comprar um pedaço de cadáver animal pra comer e todo aquele cheiro repulsivo daquele lugar não faz diferença não me incomoda nem um pouquinho.

No próximo post o tema: Paulo Henrique Amorim e “morte” do Domingo Espetacular. Fique no Recreio. Tchau!!!

  • Davi Allen

    Não se fazem mais novelas como antigamente, poucas produções chamam a atenção pela sua qualidade.