Trump proíbe que governo dos EUA financie abortos no exterior

O presidente Donald Trump (Foto: Evan Vucci / AP)

O novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já está cumprindo algumas de suas promessas de campanha. Ele assinou nesta segunda-feira (23) ordem executiva que limita o financiamento a ONG’s estrangeiras que realizam abortos.

A medida é antiga, e foi assinada pela primeira vez em 1984, no governo do republicano Ronald Reagan. De lá para cá, republicanos e democratas vêm alternando a continuidade do decreto. Sempre que entra um presidente democrata, ela é cancelada, e retornada com a entrada de um republicano.

Quando Bill Clinton entrou no poder, por exemplo, ele anulou a ordem executiva de Reagan, que foi restabelecida no governo Bush. Foi o mesmo que aconteceu no mandato do Democrata Obama, que novamente cancelou o decreto. Agora, Trump o reativou.

Luta contra os abortos

Quando o assunto é aborto, Trump está de acordo com os republicanos tradicionais, que não estão alinhados com sua política econômica. O magnata fez duras críticas à prática em campanha. Ele ainda prometeu indicar um juiz ferozmente contrário ao aborto para a Suprema Corte.

 

Douglas Nascimento

Twitter: dnascimentow

  • E essa é uma excelente medida de Trump. Em primeiro lugar pelo fato de que ONG’s não devem ser financiadas pelo governo. Inda mais ONG’s que lutam contra o direito à vida de inocentes. Espero que a Suprema Corte venha a rever o famoso caso que tornou legal o aborto nos Estados Unidos. Com Trump, ela deve voltar a ter uma maioria conservadora.

  • Bruce

    Trump IS REAL CHANGE! O único cara que me faz concordar com qualquer coisa que lembre protecionismo, quando esse protecionismo que ele diz que aplicará virá para combater a ascensão da China, um país ditatorial, que possui mão-de-obra quase escrava, manipula a moeda pra desvalorizá-la criando vantagens na compra de seus produtos e gerando concorrência desleal. No mais, Trump vem cometendo acertos inegáveis:

    – retirada dos EUA do Parceria Transpacífico (um tratado que estabelece muitas padronizações nos produtos produzidos nos países membros, o que gera certa dificuldade na comercialização com o resto do mundo), o que abrirá caminho para acordos bilaterais e recuperação da soberania nacional, saindo de uma esfera política supra-estatal;
    – congelamento nas regulamentações econômicas: medida muito importante para a desburocratização do mercado e atração de novos investimentos, o que possivelmente aumentará a produtividade no país;
    – congelamento nas contratações de funcionários públicos;
    – restauração da Política Cidade do México, que nega financiamento público para prática abortiva em países do exterior (o que é imoral partindo do princípio de que o Estado não deve destinar recursos públicos para financiar projetos ideológicos e que não recebe apoio da maioria da população);
    – sucessivas valorizações da Bolsa de Nova York;

    E em breve:

    – mudança da embaixada americana em Israel para Jerusalém, o que representa significativa aproximação diplomática entre os países, que dada importância nem precisa ser comentada.

    A despeito da propaganda negativa, vejo o governo Trump com certo otimismo, ele é um homem mais inteligente do que se pensa e está amparado por um gabinete qualificado e não há o menor risco de se tornar um déspota fazendo algo que atente contra a paz mundial, até porque as instituições americanas são sólidas e fortes o suficiente pra barrar a ascensão de um ditador. Portanto, a não ser que você esteja comprometido com a agenda progressista e politicamente correta, não há motivos para temer Trump. ;D

    • E ainda teve o decreto para limitar o Obamacare, uma das maiores interferências estatais da história dos Estados Unidos.

  • OIOIOIOI

  • ALGUM SER VIVO?

  • João Luiz

    Que sejam todos feitos no país mesmo.