Morda-me | 5º Episódio: Mark

 

Jason olha pra ele e diz:

Jason: – Vo…Você é um vampiro!, mas porque você isso em mim, porque eu!?- Com raiva, a medida que vai falando ele começa a se transformar.

Michael: – Jason!, em primeiro lugar… Não foi eu quem te mordeu, em segundo lugar, eu não sei porque você foi mordido e em terceiro lugar, eu estou aqui para ajudar!

Jason: – Ajuda…?, ajudar em quê? – Ele pergunta irônico.

Michael: – Ajudar a achar quem fez isso é a te ensinar a controlar e não sair sugando sangue de tudo que vê pela frente!

Jason: – Eu não preciso de sua ajuda!

Michael: – Será? – Ele diz, pega um espelho e mostra a Jason – Pelo que podemos ver o seu reflexo não aparece e isso quer dizer que você está transformado sem nem perceber!

Jason: – Mas se não foi você que me mordeu…, quem foi?

Michael: – Essa é a grande interrogação, sei que há mais dois vampiros pela cidade, um deles é uma garota e estuda no mesmo colégio que o seu!

Jason: – Então você quer minha ajuda para descobrir quem é ela!

Michael: – Diria uma troca de favores, eu te ajudo e você me ajuda!

Jason: – E o que você vai fazer quando acha-la?

Michael: – Jason, quando ela aparecer eu irei ajuda-la assim como você, escute bem, ninguém pode saber da nossa existência, temos que continuar passando de uma lenda, em hipótese alguma poderemos atacar humanos!

Jason: – Barry sabe!

Michael: – É bom ele ficar de boca fechada ou vou fazê lo esquecer essas lembranças!

Jason: – E as garotas que foram mortas?

Michael: – Não tenho a mínima ideia!

Jason: – Preciso dormir, amanhã tenho aula!

Michael: – Então durma!

Jason: – Tenho mais uma pergunta!

Michael: – Qual?

Jason: – O sol, o que ele faz?

Michael: – Isso não passa de uma mera lenda! – Ele diz e sai pela Janela. Assim que Michael sai Jason se senta na cama põe as mãos na cabeça e começa a pensar, depois se levanta e vai até a janela para fechar-la, ele vai e da uma olhada na rua e assim que vai fechar ele sente como se estivesse sendo observado e logo vê dois olhos na árvore. Ele desce a janela, que era no primeiro andar, e vai até a árvore, ele sobe e vê mas não há ninguém, achando que fosse Michael ele volta pro quarto, fecha a janela, tira a camisa e vai dormir. Enquanto isso Michael chega em casa:

Michael: – Hannah!?

Hannah: – Aqui..!, falou com ele?

Michael: – Sim, prepare-se!

Hannah: – Para o que!?

Michael: – Para a nossa segurança!

Hannah: – Só são garotos!

Michael: – Hannah… Não é disso que estou falando, acho que a mais vampiros aqui do que podemos imaginar!

Hannah: – Não tem problema! – Ela mostra os dentes e diz: – Somos fortes… e dois!

Michael: – O problema não é esse… O problema é que se há mais por aqui é porque querem algo! Eles falavam quando a campainha toca e Michael vai até lá, ao abrir a porta ele tem uma surpresa:

Mark: – Ho! Que surpresa em vê-lo Michael…, Não vai me convidar para entrar!?

Michael: – Mark…, o que você está fazendo aqui? – Ele diz em tom de desprezo.

Mark entra e fala:

Mark: – Hannah!, continua linda como as auroras, como tem passado?

Hannah: – Bem melhor que você, suponho

Mark: – Engana-se minha linda!

Michael: – O que você quer Mark?

Mark: – Você está tão pálido…Acho que não está se alimentando direito!

Michael:Humpf!

Mark: – O sangue daquelas daquelas garotas estava uma delícia, pena que não sobrou nada, queria ter trazido um pouco pra vocês

Michael: – Você…! Deveria ter suspeitado, mas como lembrar de um rato como você!

Mark: – Acho que ratos não são animais adequados para representar a nossa espécie!

Michael: – Você sabe do acordo!

Mark: – Acordos, acordos, há séculos que esse acordo não passa de uma simples palavra!

Michael: – Agora quando eles voltarem eu duvido que o acordo continue sendo uma simples palavra!

Mark: – Aí que sono!

Michael: – Porque você mordeu os garotos?

Mark: – Garotos, só mordi uma linda e adorável garota, as vezes um tanto não simpática mas enfim…

Michael: – Porque não a matou?

Mark: – Sinto que precisaremos de mais de nos!

Michael: – Qual o nome dela?

Mark: – As vezes a sua inteligência me comove, claro que se eu soubesse eu… Não te diria!

Michael: – Eu sei que você sabe quem é!

Mark: – Claro que sei, mas ela é quem deve vir até vocês… Ou até ele!

Michael: – Ele?

Mark: – O garoto que ela mordeu!

Michael: – Como você sabe?

Mark: – Não é óbvio?!

Michael: – Porque ela iria até ele?

Mark: – Intuição!

Michael: – Você é um ser desprezível!

Mark: – Sabe Michael… Comprei um apartamento aqui nessa cidade!

Michael: – Você pretende ficar aqui quanto tempo?

Mark: – Não sei, continuando…, mas está sendo reformado aí decidi tirar umas férias nessa sua humildade casa!

Michael: – Quando ela virar um esgoto você pode vir tirar suas férias!

Mark: – Tenho certeza que não irá me negar! – Ele diz, sai, trás três malas e diz: – Acho que é o suficiente!

No dia seguinte Jason acorda, toma um banho e vai para o colégio, depois da aula ele vai até a casa de Barry:

Jason: – Barry! , se senta porque se não você vai cair pra trás!

Barry: – O que foi?

Jason: – O diretor veio falar comigo…!

Barry: – E..?

Jason: – Ele é um vampiro! , assim como eu!

Barry: – Então tudo está resolvido! , foi ele quem te mordeu e etc…

Jason: – Não foi ele, ele quer me ajudar e também não é só isso…

Barry: – Tem mais?

Jason: – Ele falou que há uma garota e talvez tenha sido ela quem me mordeu!

Barry: – Essa história está um pouco estranha, o diretor querendo ajudar..?

Jason: – Sim e hoje eu tenho um encontro com Charlotte!

Barry: – Bom pra você!

Jason: – E a sua “grande chance”

Barry: – Você queria que eu falasse com ela na frente do namorado dela?!

Jason: – Entendo…

Barry: – O que mais ele disse?

Jason: – Ele te ameaçou!

Barry: – Como?

Jason: – Se você contar algo sobre vampiros para alguém…, ele vai fazer você se esquecer dessas lembranças!

Barry: – Ele não faria isso…!, faria?

Jason faz que sim:

Barry: – Nossa…

Jason: – Vou ajuda-lo a achar essa garota… E você também!

Nesse meio tempo uma garota aparece andando na rua e indo em direção a uma casa, ao chegar lá ela toca a

campainha:

Benjamin: – Grace…, estava a sua espera, vamos?!

Grace: – Claro!

Eles entram no carro e vão:

Benjamin: – Algum lugar em mente?

Grace: – Nenhum, pode seguir por aí…

Benjamin: – Certo!

Grace: – Para!

Benjamin: – O que foi?

Grace: – Sabe o que me deu vontade..? De te beijar! Logo depois eles começam a se beijar, depois beija o rosto dele e logo em seguida morde o pescoço de Benjamin… Grace era uma vampira. Já Charlotte estava em sua casa esperando a hora marcada do encontro:

Charlotte: – Pai..? – Como não há resposta ela vai até o quarto dele para ver se está bem. Ao chegar lá ela não encontra ninguém, só um monte de papéis e livros espalhados pela cama dele, ela vai até lá e olha alguns, nesse momento ele chega:

Mason: – Charlotte o que você está fazendo?- Ele core e começa a juntar os papéis.

Charlotte: – Vampiros?, eu é que te pergunto porque você tá fazendo isso?!

Mason: – Me interessei pelo assunto, só isso!

Charlotte: – Percebe-se!

Mason: – Você não ia sair com seus amigos?, já está na hora!

Charlotte: – Eu vou…, mas essa sua história não me convenceu!

Charlotte desce e vê que Jason estava esperando ela, ela vai e eles entram no carro:

Charlotte: – Poço te dizer uma coisa?

Jason: – Claro!

Charlotte: – Você vai me achar uma louca mas eu pesquisei sobre aquela história dos espelhos e tudo se

relaciona com o vampirismo!

Jason: – E…

Charlotte: – O mais estranho é que eu contei pro meu pai e ele não acredito em mim… Mas agora hoje eu descobri que ele está estudando sobre essa assunto, como… Se acreditasse no que eu disse… Como se vampiros existissem de verdade!

 

 


Web-série escrita pelo leitor/comentarista
Pedro Augusto