14 curiosidades sobre a república no Brasil

Quadro que retrata o famoso 15 de novembro
Quadro que retrata o famoso 15 de novembro

Desde 15 de novembro de 1889, o Brasil é governado por um sistema republicano. De lá para cá pode parecer um curto período, mas muita coisa aconteceu. Hoje, o Recreio irá mostrar 14 curiosidades sobre a República no Brasil, incluindo informações sobre os diferentes presidentes que já governaram essa nação continental.

O primeiro golpe

Embora seja comumente chamado de “proclamação”, o movimento que deu início à república no Brasil pode ser facilmente caracterizado como um golpe de estado. O primeiro de tantos do período republicano. A explicação é fácil: sem apoio popular, os militares derrubaram um imperador e um sistema de governo legítimo, constitucional, que ali estava por aclamação popular, desde a independência.

O movimento republicano existia, mas não tinha adesão da população, e de maneira legal jamais conseguiria chegar ao poder.

“É golpe quando você tem uma movimentação política que coloca fim a um Estado legalmente constituído. A gente pode concordar ou não com a monarquia, mas era constitucional”, opina a antropóloga e historiadora Lilia Moritz Schwarcz.

Diversidade

O Brasil já teve 37 Presidentes, de diferentes profissões e ideologias políticas. Isso contabilizando-se todos os governantes que já chegaram ao poder (excluindo então os que não tomaram posse, como Tancredo Neves), de forma ditatorial ou não.

Democracia?

Contabilizando-se os presidentes que chegaram ao poder pelo voto direto, tivemos 25, incluindo os que chegaram ao mandato como vices, em substituição ao até então presidente por determinada razão.

Michel Temer é o segundo presidente a assumir após um processo de impeachment
Michel Temer é o segundo presidente a assumir após um processo de impeachment

Instabilidade

Já se olharmos o número de presidentes eleitos pelo voto direto e que concluíram o mandato, esse numero cai para 11. Se contabilizarmos apenas os últimos 90 anos, apenas Eurico Gaspar Dutra, Juscelino Kubitschek, Lula, FHC e Dilma (1º mandato) foram eleitos pelo povo e concluíram o mandato com êxito.

O povo se amarra

Desde que foi aprovada a polêmica emenda da reeleição, no governo de Fernando Henrique Cardoso, todos os presidentes conseguiram se reeleger. Foram eles: o próprio FHC, Lula e Dilma (cassada).

Teve bis

Em toda a história republicana do Brasil, dois presidentes já sofreram um processo de impeachment: Collor em 1992 (renunciou) e Dilma em 2016 (cassada).

Coincidência?

Collor e Dilma foram os únicos presidentes do Brasil formados em economia.

Instabilidade²

No período republicano, que já dura 127 anos, o Brasil já teve seis Constituições Federais: as de 1891, 1934, 1937, 1946, 1967 e 1988, sendo a última delas a de 1988, ainda em vigor.

Estabilidade

A maior potência mundial, os EUA, também uma república, acumula apenas uma carta magna desde sua independência. Como era o exemplo do Brasil da independência até o fim do Império, que funcionava com a Constituição de 1824, outorgada por Dom Pedro I.

Crença… ou descrença

A maioria absoluta dos presidentes do Brasil foram católicos. Apenas Café Filho e o militar Ernesto Geisel tinham o protestantismo como religião. Não se sabe ao certo a posição religiosa de Dilma, recentemente impeachada. Michel Temer, atual presidente, é católico.

Instabilidade³

A república no Brasil teve fases: a República Velha (1889-1930), a Era Vargas (1930-1945), o Regime Liberal Populista (1945-1964), o Regime Militar (1964-1985) e a Nova República (1985-atual).

Herança

As cores verde-amarelo da bandeira do Brasil, mesmo que tenham adquirido oficialmente outros significados ao longo dos anos, teve sua temática derivada da época imperial, com a cor verde em referência à casa de Bragança, da qual fazia parte D. Pedro I, ao passo que a amarela simbolizaria a casa de Habsburgo, da qual fazia parte a imperatriz D. Leopoldina.

A bandeira imperial era bem parecida com a adotada atualmente pela República
A bandeira imperial era bem parecida com a adotada atualmente pela República

Herança²

O brasão republicano, embora tenha sofrido reformulação mais brusca que a bandeira, também carrega símbolos adquiridos na monarquia, como o ramo de café e o de fumo.

Experiência

A república brasileira já foi, por um curto espaço de tempo, parlamentarista. O povo, em plebiscito, porém, escolheu trazer de volta o sistema presidencialista.

Douglas Nascimento

Estudante, escreve sobre política semanalmente para o Recreio através do Sociedade em Foco.

Siga-me no Twitter: dnascimentow

  • Bom post, tem coisas que eu nem sabia

  • Alexandre

    Curioso o fato de que depois de aprovada a emenda da reeleição todos os presidentes foram reeleitos (FHC, Lula e Dilma). Eu não tinha parado pra pensar nisso.

    • Ian

      Bom dia Alex! Você está melhor? Quando achar que sua vida esta “cheia de nada”, lembre-se: É do nada que se começa tudo!

      • Alexandre

        Sim, já me sinto melhor. Obrigado, Ian.

        • Ian

          Quem bom! Mantenha a cabeça sempre erguida.

    • Verdade, Alexandre. Também percebi esse fato recentemente.

  • Ian

    Post: O que a história ensina é que os governos e as pessoas nunca aprendem com a história.

    Friedrich Hebbel.

  • OIOIOI

    • TIAO GAVIAO

      AMOOOOOOOOOOOO

    • Black Philip

      kkkkkkkkkkkkkk morto

  • Kefera no Jornal Hoje, é o fim

  • Alguém??

  • Excelente post! Esclareceu várias dúvidas sobre a República.

  • Muito obrigado, Rosa. Realmente é muito tranquilizante para todos.

  • Com certeza. Sem divulgação, a ideia que a população tem sobre monarquia sempre será outra: a propagada pela república por mais de um século. Não dá pra fazer um plebiscito como foi feito em 1993 sem que antes a população esteja entendida sobre o assunto.

  • Black Philip

    a aclamação popular na independência era pelo Brasil deixar de ser uma colônia explorada por Portugal e não necessariamente por que todos queriam um imperador. Ser um império é muito menos pior que ser uma colônia. Fácil dizer que a monarquia não seria aprovada por causa da ignorância das pessoas, não volta porque não nos identificamos com esse tipo de governo, simples assim. Um império está muito longe de se uma democracia e o brasileiro vai optar sempre pela segunda, difícil mudar isso.

    • Jim Gordon

      Cara, não era um império absolutista. Olha o ranking da democracia, e compara a posição do Brasil “democracia” com o de algumas monarquias parlamentaristas (como foi o Império do Brasil, principalmente a partir do reinado de Pedro II) e olha quem tá ganhando. E pq tu achas que a república tinha pouquíssimos adeptos quando foi “proclamada”? Os republicanos elegeram apenas dois parlamentares antes de concretizado o golpe. Se isso não é “aceitação”, não sei o que seja. Agora tem o fator costume também, talvez o povo na época não queria se aventurar em um sistema novo (até pq o Império não estava perdendo pras “democracias” vizinhas). O mesmo acontece hoje após mais de 100 anos de república.

      • Black Philip

        seu comentário não refuta o meu, apenas complementa, mantenho -o

        • Dean Winchester

          Oi? Você comparou monarquia com absolutismo, ou a colocou como oposta a uma democracia. Ninguém é louco de querer voltar ao absolutismo. Há uma clara confusão na sua cabeça. A razão pelo qual você falou que o brasileiro não optaria pela monarquia foi pelo fato de você achar que não de trara de democracia. A razão que apontei foi outra.