Reflexão

 

Ao longo do nosso dia a dia, lidamos com grandes cargas de informações sobre diversos assuntos: notícias, compromissos que temos, acontecimentos importantes e etc.

Baseando-nos nestas diversas informações que recebemos, sempre temos de fazer escolhas, que vão das mais simples às mais complexas. Crescer na vida depende exclusivamente de acertarmos tais escolhas, algo que muitos de nós não fazemos. É aí que entra a arte de refletir.

Todos nós costumamos achar que refletir é pensar, pura e simplesmente; mas nós sabemos que sempre estamos pensando. Então o ato de refletir, que compreende um significado mais peculiar, tem de ser mais que o simples pensar. E ele realmente é mais que isso.

Refletir é o pensar mais apurado, é pegar um problema e desmembrá-lo até achar a solução, é o questionamento profundo que leva a uma resposta diferente de todas as outras respostas que obteríamos com o simples ato de pensar. Em síntese, a reflexão é o aproveitamento máximo da racionalidade que nós, seres humanos, temos.

Animais movem-se por instinto e não pensam sobre suas escolhas; seres humanos normais, apesar de também serem movidos por seus instintos, pensam em cada passo que dão; mas acima de tudo, há aqueles que refletem – pessoas que não se acomodam com um simples pensar superficial e que vão mais além, buscando a origem do problema em questão, buscando os porquês e analisando todas as possibilidades que existem entre a causa e a consequência. Pessoas assim são especiais. Mas entre nós e o ato da reflexão há um obstáculo.

O Grande Obstáculo…

O pensar mais apurado é peculiar demais para ser realizado de qualquer forma. Ele demanda atenção, concentração, disposição e, principalmente, a solidão. Não que você precise ser uma pessoa solitária para refletir, mas no momento da reflexão, em si, você precisa estar só. É o seu momento, sua “reunião” consigo mesmo, na qual apenas o seu julgamento e a sua visão irão imperar. O grande obstáculo é que o mundo de hoje fornece inúmeros empecilhos a um momento assim.

 

O mundo é muito agitado. Esteja você trabalhando ou estudando, tanto na escola quanto no trabalho você estará em constante contato com outras pessoas, estando assim mais conectado à elas e ao seu redor do que conectado consigo mesmo. E ainda que você esteja só, sem ninguém por perto ou qualquer distração em seu ambiente, ainda haverá em suas mãos um pequeno objeto que te dá acesso à internet, a maior das distrações.

Ora, como refletir em um mundo assim? Como parar para fazer uma auto avaliação consistente? Como pensar mais profundamente sobre si mesmo e sobre seus dilemas? Se tomar decisões corretas depende da reflexão, como fazer escolhas certas sendo refém de um mundo assim?

Evidentemente, isso é uma questão de autodisciplina. Ignorar, ainda que por alguns minutos, as distrações corriqueiras e parar para refletir é algo que depende apenas de você. Mas não é necessário apenas estar disposto a abdicar de seu tempo para refletir, às vezes estar inspirado é algo que ajuda muito e te deixa disposto a pensar sobre determinado assunto com mais paixão.

Sobre os textos

Nos textos que escreverei neste blog, eu tentarei fornecer a vocês esta inspiração ao postar, semanalmente, as minhas reflexões pessoais. Aqui, imperará a reflexão da qual estamos tratando neste momento – um modo alternativo de pensar sobre assuntos que estão ou que sempre estiveram em voga.

Por trás de toda ideia ou informação, sejam estas de que relevância forem, há um mundo inteiro que só pode ser desvendado através da reflexão. Tudo aquilo que nos chega de forma superficial através dos meios de comunicação eu tentarei desmembrar e apronfundar até conseguir chegar a uma resposta satisfatória que se diferencie de quaisquer outras respostas rasas e comuns; ao mesmo tempo, refletirei também, junto com vocês, sobre ideias e concepções que sempre foram presentes em nossas vidas.

Nesta coluna, tentarei, fazendo o possível, desvendar o mundo que há por trás dos pensamentos, tabus, estigmas, ideologias e informações. Você, leitor, pode me ajudar nesta empreitada comentando.

Não é minha intenção, no entanto, querer ser o dono da razão ou passar a impressão de que a minha visão de mundo é a correta e que a minha opinião põe um ponto final em qualquer debate. A intenção aqui é compartilhar conhecimento. Aprender e ensinar. A verdade é sublime demais para possuir um dono, mas isso não significa que devamos desistir de buscá-la – é correndo atrás dela que nós crescemos. Aliás, posteriormente nós falaremos sobre ela e o que realmente significa buscá-la. Por hora, gostaria apenas de lhes apresentar a essência que sempre estará por trás dos meus textos e agradecer a todos aqueles que se dispuserem a lê-los. Também quero agradecer ao blog por estar me dando a chance de compartilhar meus pensamentos.

Espero que gostem!